quant
Fique ligado

Edição 775

Memórias e Histórias da Trofa: Conturbadas eleições em 1899

As eleições eram, por vezes, fenómenos de violência que terminavam em agressões mútuas com vários feridos e por vezes mortes.

Publicado

em

As eleições sempre foram momentos importantes na vida de uma comunidade, em que vários candidatos e forças partidárias tentam fazer valer as suas ideias, conquistar a admiração da população e por conseguinte ganharem essas mesmos eleições ou, num segundo patamar, ser eleito.No passado, esses momentos eram vistos com especial intensidade,…

 

Já é assinante? Inicie sessão

Não é Assinante? Clique aqui e assine os nossos conteúdos a partir de 1 euro

 

Continuar a ler...

Edição 775

Peça marca estreia de nova associação de teatro no Muro

Publicado

em

Por

A recém criada associação TEAM – Teatro Experimental Amador do Muro apresenta-se, pela primeira vez, no dia 29 de outubro, com a peça “Fatos do Neca não são de ninguém”.
A sessão, preparada com o apoio da Junta de Freguesia, tem lugar no salão paroquial do Muro e as cortinas abrem-se às 21h30.
Em nota publicada nas redes sociais, a Junta de Freguesia do Muro refere que “como o número de lugares é limitado, é necessário efetuar reserva prévia, na Sede da Junta de Freguesia do Muro, no período normal de funcionamento, ou através do e-mail geral@freguesiadomuro.pt, indicando o nome e contacto”.
“Desejamos os maiores sucessos à TEAM – Associação Sociocultural, e acreditamos que este será um regresso prometedor e o reinício de uma agenda cultural que terá o teatro como ‘ator’ principal”, acrescentou a Junta de Freguesia.

Continuar a ler...

Edição 775

Escrita com Norte: Quase, quase

Publicado

em

Por

Leopoldina, nascida nos anos 50, quase nova, com a marca de “solteira” gravada pelo destino cruel que levou a sua grande paixão, o Lima, que deixou de escrever as lindas cartas de amor, que mesmo sem se conhecerem a cativou com as palavras doces, confessou à sua melhor amiga:

– Estou a viver um grande amor! Ele chama-se Lima. Não tarda vou casar!

– Quem?! – pergunta a amiga, que com a Leopoldina partilha as mesmas amizades e pessoas conhecidas.

– É um rapaz que não conheço, que gosta de mim e carinhosamente me trata por Gustinha! – responde, tentando esconder o sorriso por trás da timidez.

As cartas deixaram de aparecer, quando o Silva, carteiro das 8 às 16, de segunda a sexta, e alcoólico, de segunda a domingo, desde que acorda até se deitar, foi despedido, e as cartas de Lima, com destino à caixa de correio de Gusta, passaram a ser entregues no destinatário correcto.
Por alturas de Outubro, mês em que o Silva festeja a última bebedeira paga com o ordenado dos CTT e Leopoldina recebeu, por engano, a última carta de Lima, esta relembra, ano após ano, que quase casou e festeja soltando um suspiro seguido de um “ai, ai!”.
Juntou quase uma fortuna, desde que recebeu a primeira carta de Lima, depois de Silva ter bebido três cervejas a acompanhar um café com cheirinho, até à última, para o arranque da vida de casada.
Desde há quarenta anos, faz todos os dias úteis o mesmo percurso, a pé, para o local de trabalho. De tanta ida e volta, os sapatos rasos de Leopoldina estão marcados no passeio e todos respeitam estas marcas como se fossem uma passadeira válida apenas para ela.
Durante o tempo que passou entre as três cervejas a acompanhar um café com cheirinho e o despedimento de Silva, Leopoldina fazia este trajecto em passo acelerado e quase ficou em forma para o Lima…queria usar na noite de lua-de-mel um cuecão reduzido!
Sempre trabalhou no notário da terra (apesar de quase ter sido decoradora, o seu sonho, quando viu um anúncio no jornal), e há tanto tempo, que sente que foi prometida pela mãe para aquele trabalho. “Ainda bem!”, relembra-se amiúde, caso tivesse sido prometida ao filho de um casal qualquer, nunca teria vivido a grande estória de amor.
Como quase foi mãe, caso tirasse o cuecão reduzido na lua-de-mel se o Silva não tivesse sido despedido, sente-se por isso abençoada e com jeito para as crianças. Sempre que um casal amigo quer passar um serão romântico, na cervejaria “Albuquerque” a comer uma francezinha e a beber uma cerveja, ela oferece-se para tomar conta dos petizes.

Nestes serões com as crianças, gosta de falar de si, elas ouvem atentas e, pacientes, escutam a vida quase feliz de Leopoldina!

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);