A Casa da Cultura foi palco da apresentação do livro de Luís Moura Serra, que faz um contexto histórico e familiar da Companhia de Ordenanças de Santiago de Bougado aquando as invasões francesas.

O livro “A Companhia de Ordenanças de Santiago de Bougado e a Defesa do Rio Ave na Barca da Trofa – Contexto Histórico e Familiar” foi apresentado na Trofa, na noite de sexta-feira, na Casa da Cultura da Trofa. O autor, Luís Moura Serra, “descendente” de Luís Carneiro, comandante da Companhia, complementou através da obra o estudo fez quando trabalhou na autarquia da Trofa, aquando da celebração dos 200 anos da passagem do exército francês pelo território trofense.

Perante a plateia cheia, Luís Moura Serra esteve ao lado do vereador da Cultura da Câmara Municipal, Assis Serra Neves, e Aloísio Maia Nogueira, que apresentou o conteúdo da obra.

Para editar o livro, Luís Moura Serra apelou ao apoio da população da Trofa, mas “não houve grande reação” à divulgação deste trabalho. No entanto, esclarece, “o que interessa é que o livro foi lançado e será também apresentado na Maia, Viana do Castelo, Vila Nova de Famalicão e Vila do Conde. É importante disseminar este episódio da nossa História”, sublinhou.

O livro pretende “repor algumas verdades históricas” sobre a resistência do povo da Trofa ao avanço do exército francês através da travessia do Rio Ave, a 23 de março de 1809, quando o território pertencia à Maia.

A obra incide na história da Companhia de Ordenanças de Santiago de Bougado, cuja “maior parte dos seus elementos se relacionavam todos familiarmente”.

Os militares invasores chegaram à zona da Trofa a 23 de março e, segundo as memórias do general Soult, saíram quatro dias depois, existindo registos de que, a 28 de março, estavam nos arredores do Porto. O exército de França foi obrigado a subir o Ave até à Ponte da Lagoncinha, em Lousado, onde conseguiram atravessar o rio.

Os interessados em adquirir para ter acesso ao livro, podem contactar Luís Moura Serra através da rede social Facebook.