quant
Fique ligado

Edição 720

Luís Filipe Moreira encerra mandato no Rotary

Publicado

em

Junho é o último mês de mandato de Luís Filipe Moreira como presidente do Rotary Club da Trofa. Nos últimos dias no cargo, o bougadense fez o balanço do trabalho realizado ao longo dos últimos 12 meses.

Para Luís Filipe Moreira, assumir o cargo de presidente do Rotary Clube da Trofa foi “um grande desafio”, pela “exigência” da estrutura e da missão que a obriga a um estreito “comprometimento e dinamismo” junto da comunidade. Trata-se de um clube constituído por empresários, quadros técnicos superiores, professores, comerciais, todos eles reconhecidos na comunidade trofense.

“São 21 líderes, de provas dadas, que gostam de parcerias e do trabalho em rede, que possuem as qualidades para fazer parte desta formidável alavanca de trabalho em favor do próximo, tendo em mente algumas premissas, tais como o slogan rotário ‘dar de si antes de pensar em si’”, começou por dizer, em declarações ao NT, Luís Filipe Moreira.

Tendo em conta o lema estipulado para o ano rotário 2019/2020 – Rotary conecta o Mundo -, o professor empenhou-se para um clube trofense “conectado às pessoas, feito de afetos, visível e aberto à comunidade”. “
“Desde logo, duplicamos o número de seguidores nas redes sociais”, evidenciou, não deixando de considerar que a Trofa tem “um Rotary de ação, capaz de inspirar mudanças no concelho”.

“Um dos objetivos-base para este mandato que agora termina reside na realização de atividades em todos os meses do ano rotário e com relevo na comunidade. Dito e feito. Com o apoio e esforço de todos os companheiros conseguimos”, sublinhou Luís Filipe Moreira, sublinhando a realização da primeira edição do Ciclo de Palestras Saúde & Educação, que contou com oradores de renome, como Manuel Sobrinho Simões, Maria Elisa Domingues e Fernando Carvalho Rodrigues. A iniciativa teve como último interveniente o médico legista José Pinto da Costa, encerrando um conjunto de quatro palestras, duas das quais já realizadas em versão online, devido à pandemia de Covid-19.

“Este ciclo de palestras foi tão importante, não somente pela presença e partilha da melhor informação por prestigiados oradores de impacte nacional, perante agentes de diferentes áreas profissionais, e instituições culturais, sociais, desportivas do concelho, órgãos políticos decisores da Trofa, mas sobretudo por aquilo que apresentamos aos nossos decisores políticos concelhios – a melhor informação, para que os mesmos se capacitem para tomar as melhores decisões em prol da nossa comunidade”, sustentou o presidente rotário, deixando “um especial ao nosso parceiro institucional – a Câmara Municipal da Trofa – que auxiliou na logística, dinamização e publicitação das palestras desenvolvidas”.

Já durante o período de pandemia, o Rotary da Trofa quis dizer presente, desenvolvendo algumas ações de solidariedade em prol de instituições parceiras, como a entrega de um apoio financeiro de seis mil euros à APPACDM, destinado à aquisição de material de prevenção, proteção e higienização, como máscaras, viseiras, aventais, álcool, produtos desinfetantes, entre outros.

Publicidade

“Também contribuímos com mil euros para o projeto da Conferência de S. Vicente de Paulo para a aquisição de medicamentos para famílias carenciadas. Distribuímos, igualmente, viseiras à APPACDM, Bombeiros Voluntários da Trofa e Agrupamento de Escolas da Trofa. Continuamos a apoiar a Santa Casa da Misericórdia da Trofa no âmbito do protocolo de promoção da saúde oral dos seus utentes e continuamos ativos na luta pela erradicação da poliomielite, com a doação anual de 850 euros, valor entretanto já triplicado pela Fundação Bill e Melinda Gates”.

Luís Filipe Moreira destacou ainda atividades como a presença do clube na ExpoTrofa, a ação de prevenção do cancro da pele, realizada nas praias e em parceria com o clube rotário da Póvoa de Varzim, o percurso pedestre no Parque das Azenhas com contacto com a comunidade, divulgando a ação rotária, o habitual peditório anual para a Liga Portuguesa Contra o Cancro, o magusto solidário para os utentes da ASAS e a visita do Governador do Distrito 1970, Carvalhido da Ponte.

A Universidade Sénior é também um projeto que merece o regozijo de Luís Filipe Moreira, por “contribuir todos os dias para o enriquecimento cultural e para a melhoria da qualidade de vida dos seniores do concelho trofense”, contando com o “excelente trabalho” da sua diretora pedagógica, Maria Emília Cardoso, que é coadjuvada por Fernando Ferreira.

“Por outro lado valorizamos a cultura trofense e o riso, com a homenagem profissional ao humorista trofense mais conceituado, Miguel 7 Estacas”, sublinhou.

Depois de Luís Filipe Moreira, o Rotary Club da Trofa terá como presidente Rosa Manuela Araújo, professora na Escola Secundária da Trofa.


“Foi com orgulho que servi o Rotary Club da Trofa. Deixo uma palavra de apreço e reconhecimento a todos os meus companheiros rotários que me apoiaram, incentivaram, ajudaram, aconselharam e me proporcionaram a oportunidade de aprender com todos eles. Quero aqui manifestar total apoio, ajuda e disponibilidade para continuar a missão rotária”.Luís Filipe Moreira
Presidente do Rotary Club da Trofa

Continuar a ler...
Publicidade
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 720

Memórias e Histórias da Trofa: Melhoramento da rede viária da Trofa

Publicado

em

Por

Os grandes investimentos de obras públicas na Trofa normalmente são conseguidos com grandes dificuldades, não sendo apenas uma situação das últimas décadas, mas sim um sinal da nossa sina, atendendo que parece ser um problema que já tem quase séculos de existência.

Folheando as páginas da imprensa local ao longo de décadas desde os meados do século XIX é possível concluir que as obras na Trofa aconteciam a um ritmo bastante lento e somente após vários anos de súplicas e pedidos ao poder local, regional e até nacional.

Nesse sentido, temos o exemplo da melhoramentos na Trofa que ocorreriam em dezembro de 1920, referindo que esses pedidos já eram realizados ia para 30 anos.

O primeiro pedido era referente a um arruamento antiquíssimo e muito conhecido, sendo um caminho existente desde a passagem interior da linha férrea pelos baixos da ramada do lavrador Vinhas até a estrada que liga com a de Vila do Conde e Santo Tirso.

O desejo da comunidade era a reconversão daquele caminho em uma estrada de cinco ou seis metros para Paradela ou macadamizar o atual caminho, alargando-o e tirando-lhe algumas curvas mais salientes.
O terceiro pedido era referente a uma rua de oito metros que tinha de ser construída, ou aparentemente estaria a ser realizada a sua construção, ocupando os terrenos do lavrador Mateus, Joana Dias, Vinha e Paulinho deste da estrada que ligava Vila do Conde a Santo Tirso com a sua passagem a ser efetuada junto à passagem inferior do caminho de ferro ao pé dos grandes armazéns do senhor Silva e companhia.

Importante referir que para auxiliar a população era preciso dinheiro, havendo um investimento também na iluminação pública que era indispensável, como também concretizar outros investimentos como levar água de Valdeirigo, macadamizar várias ruas para fazer com que elas deixassem de ter um aspeto tosco e básico em terra para dar mais qualidade à circulação de pessoas e viaturas, recordo que neste período da história a Trofa era uma localidade em crescimento acelerado e estava a lançar as sementes para se tornar na cidade referência que é na atualidade.

As obras estavam em crescendo, era mais que muitas, fruto talvez do desinteresse do poder local e regional nesta pequena localidade que estava conforme foi descrito no parágrafo anterior a viver momentos de dinamização económica, estando por último projetada a construção de uma Avenida da Senhora das Dores até ao Rio Ave.

Publicidade
Continuar a ler...

Edição 720

Alteralismo

Publicado

em

Por

Há uns anos, foram editados alguns livros de auto ajuda, que coincidiu com o período em que estive divorciado. Não foi a leitura de nenhum desses livros que me ajudou a divorciar, mas um deles, quiçá o mais famoso, que comprei e depois de ler verifiquei que foi um engano, serviu de óptima prenda para uma amiga desesperada…eu despachei o livro e ela ficou impressionada, pensando que sou uma pessoa sensível à natureza feminina!

Este livro chama-se “O Segredo”, com muitas páginas que se resumem ao seguinte: Não é preciso agir, apenas pensar convictamente e insistentemente no que se quer. Essa vontade é transmitida ao universo e em troca recebemos a concretização do desejo! Neste ritual há uma regra de ouro: nunca pensar no “não” nos nossos desejos!
Discordo completamente!

Neste período, encontrava-me amiúde, no café, com dois bons amigos, que para não serem identificados vou tratá-los com os nomes alterados, são o Tóó e o ZéTóó. Tínhamos conversas animadas e entusiastas. Quem olhasse para nós, pela pinta, pensava, “Estão a falar de miúdas!”…em 98% dos casos tinham razão! E nos 2% que sobravam, quando entrava uma miúda gira, havia pareceres!

Basicamente as conversas pareciam um jogo de futebol português, muito pontapé na bola e pouco tempo útil de jogo! Mas o pouco que havia entusiasmava-nos e era o que fazia os nossos encontros diferentes!
Eu, o Tóó e o ZéTóó, éramos (e somos), pessoas de agir, mas na altura estávamos em estados de maturação e consciência diferentes. O Tóó e o ZéTóó, tinham uma primeirinha muito boa, mas a custo metiam a segunda, quanto a mim, talvez pelo divórcio recente, ia metendo as mudanças até me “enfaixar”!

Numa dessas conversas falávamos na influência do meio e dos outros em nós mesmos, mas com segurança afirmávamos que tínhamos de ser o agente principal das nossa vidas! Rapidamente chegámos à conclusão que desde a existência da civilização, muita gente falou e escreveu sobre isto…mas não sabíamos o que lhe chamaram!

Numa mesa de café nasceu o “ALTERALISMO”!

Eu, o Tóó e o ZéTóó, criámos algo que sempre existiu, mas não tinha nome…ou se tinha, desconhecíamos!

Publicidade

Após essa descoberta, no aniversário do Tóó, num restaurante do Porto, com cerca de trinta convidados, o aniversariante, sem aviso prévio, chama-me para declarar ao mundo o “ALTERALISMO”! Tóó olhava para mim como o homem de ação, o “James Bond” do “ALTERALISMO”!

O “ALTERALISMO” tal como “O Segredo”, poderia ser editado em livro com 200 páginas, mas também se resume a meia dúzia de ideias, expostas nessa noite memorável…para o aniversariante (começou a namorar)!
Expliquei que não nascemos etiquetados com a história da nossa vida.

Temos de ser o motor dela mesma e assumir o papel principal, avançar e arriscar as portas entreabertas e vencer o medo do caminho estreito!

Mesmo quando o que queremos está para além de uma parede de betão e nos “esborrachamos”, voltamos para trás, tristes, mas quem sabe se não ficaram fendas e a parede de betão um dia vem abaixo!

Toda a gente me ouvia com atenção tal que, enquanto discursava, já pensava em criar uma seita e pedir o dízimo! Nessa noite arranjámos alguns seguidores na esperança de que também eles nos ajudassem a entender isso do “ALTERALISMO”!

Entre esta criação (que já existia!) e o “Segredo”, ou sou ALTERALISTA! 

António Machado, poeta sevilhano, nascido no séc. XIX, escreveu, “Caminhante, não há caminho, faz-se caminho ao andar!”. Eu, o Tóó e o ZéTóó, criámos o que já existia, o “ALTERALISMO”!

Publicidade
Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também