O presidente do Bougadense garantiu ao NT que Luciano Simões aceitou o convite para continuar a comandar a equipa por mais uma época.

Luciano Simões cumpriu a segunda época no Bougadense. Alcançado o 9º lugar e depois de uma prestação exemplar nos jogos em casa (11 vitórias, quatro empates e duas derrotas), o treinador aceitou continuar no comando técnico da equipa por mais um ano, conforme anunciou o presidente Adalberto Maia.

Simões tinha confirmado o convite do presidente e, dada a resposta positiva, a direção terá assegurado um “plantel competitivo”, como era desejo do técnico.

Sobre esta temporada, Luciano Simões fez um balanço “positivo” pelo “campeonato tranquilo” que a equipa teve.

“Fizemos um bom plantel para conseguirmos os primeiros cinco lugares, mas o objetivo principal era a manutenção. A equipa técnica e os jogadores sentiam que tínhamos qualidade para lutarmos pelos lugares cimeiros, mas ao fim de cinco, seis jornadas houve jogadores que saíram, devido às dificuldades financeiras do clube e a equipa ressentiu-se”, explicou.

Simões acredita que, se o plantel se mantivesse inalterado, “o Bougadense podia ter feito uma classificação muito melhor”. A prestação nos jogos fora, frisou, “seria diferente com os jogadores experientes”, que acabaram por abandonar a equipa, como Baiano e Seninho. Nos jogos realizados em Santiago de Bougado, os jogadores, apesar de jovens, “sentiam-se mais confortáveis” e conseguiam bons resultados.

A fase mais complicada da equipa foi com a saída e as lesões de jogadores, que “em condições normais seriam titulares”. Couto e Lucas foram os primeiros a ficar indisponíveis por constarem na ficha clínica. Seguiu-se Cristophe que veio reforçar o plantel a meio da temporada, mas teve que deixar de jogar futebol por problemas de saúde.

O castigo que afastou Virgílio na reta final do campeonato foi outro dos problemas da equipa a acrescentar às restrições financeiras do clube, que obrigaram o plantel a reduzir o número de treinos por semana. “Em muitos jogos foi difícil gerir isso, porque a nível físico a equipa quebrava e as coisas não saíam tão bem”, contou.

Mas relativamente à atitude dos atletas, essa nunca esmoreceu: “Sempre foram jogadores empenhados, deram sempre tudo, porque tinham noção do valor que tinham”.

Desde a descida à 1ª Divisão da Associação de Futebol do Porto que o Parque de Jogos da Ribeira não contava com tanto público. Graças às boas exibições em casa, a equipa podia gabar-se de “ter a bancada bem composta nos dias em que o Trofense também jogava”. “Quando se pratica bom futebol, as pessoas têm tendência para apoiar mais e desde que cá estou sempre foi isso que eu senti”, sublinhou.

Luciano Simões confirmou “gostar de estar” no Bougadense e espera que na próxima época possa contar com um “plantel competitivo”.
O treinador aproveitou para “agradecer o apoio de todos, aos atletas, às suas famílias, aos colaboradores e treinadores adjuntos que, mesmo com dificuldades, estiveram sempre unidos a fazer o melhor”.

Adalberto Maia reconduzido na direção do Bougadense

O presidente do Bougadense foi reeleito em assembleia realizada no sábado. Os sócios concordaram com a continuidade de Adalberto Maia, que já gere os destinos do emblema de Santiago de Bougado desde fevereiro de 2008.

 

{fcomment}