quant
Fique ligado

Trofa

“Ler não custa nada, mesmo nada” incentiva à troca de livros na Trofa até 9 de fevereiro

Publicado

em

Procurar fomentar o gosto da leitura, e simultaneamente da partilha, junto da comunidade Trofense é o objetivo da iniciativa promovida pela Câmara Municipal da Trofa até 9 de fevereiro.

“Ler não custa nada, mesmo nada” é o nome da atividade que desafia os Trofenses a partilharem os seus livros ou revistas, entregando-os nos pontos de recolha estabelecidos.

Os interessados em partilhar podem fazer a entrega dos livros na Casa da Cultura ou nas bibliotecas da Escola Secundária da Trofa, EB2/3 Napoleão Sousa Marques, EB2/3 de Alvarelhos e EB2/3 de S. Romão do Coronado.

Esta recolha irá, posteriormente, culminar na realização de um “Mercado de Livros” que decorrerá na Casa da Cultura da Trofa de 18 a 22 de fevereiro, enquadrado na Semana da Leitura 2013.

Durante esta semana toda a comunidade será convidada a visitar este “Mercado de Livros”, patente na Casa da Cultura, escolher um livro e, de forma gratuita, leva-lo para casa.

Paralelamente e no decorrer da recolha dos livros e revistas novos ou usados, as pessoas que entreguem estes materiais serão desafiados a deixar uma mensagem/dedicatória ao próximo leitor.

{fcomment}

Publicidade

 

Continuar a ler...
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Covid-19

Junta do Coronado abre portas no sábado para testes à Covid-19

No próximo sábado, no salão nobre da Junta de Freguesia do Coronado, em S. Romão, os profissionais de saúde da Farmácia de São Romão vão realizar testes antigénio à Covid-19.

Publicado

em

Por

No próximo sábado, no salão nobre da Junta de Freguesia do Coronado, em S. Romão, os profissionais de saúde da Farmácia de São Romão vão realizar testes antigénio à Covid-19.

O teste rápido de antigénio é comparticipado pelo Serviço Nacional de Saúde.

Para serem testados, os interessados não precisam efetuar marcação, mas apenas deslocar-se ao espaço., munidos do número de utente.

Continuar a ler...

Covid-19

Legislativas: Governo recomenda que eleitores em confinamento votem entre as 18:00 e as 19:00

O Conselho de Ministros aprovou hoje uma norma que contempla uma exceção para as pessoas em situação de confinamento obrigatório devido à covid-19 poderem sair de casa a 30 de janeiro para votarem.

Publicado

em

Por

O Governo recomendou hoje aos eleitores que se encontram em confinamento obrigatório devido à covid-19 para votarem a 30 de janeiro entre as 18:00 e as 19:00, aconselhando os restantes cidadãos a fazê-lo entre as 08:00 e as 18:00.

O Conselho de Ministros aprovou hoje uma norma que contempla uma exceção para as pessoas em situação de confinamento obrigatório devido à covid-19 poderem sair de casa a 30 de janeiro para votarem.

“O Governo recomenda que as pessoas que não estão confinadas votem no período entre as 08:00 e as 18:00 e as pessoas que estão em confinamento, e que nesse dia vão poder sair, exerçam o direito de voto entre as 18:00 e as 19:00”, disse a ministra da Administração Interna Francisca Van Dunem, na conferência de imprensa após o Conselho de Ministros

A ministra ressalvou que o Governo “não tem poderes para impedir as pessoas de votarem no horário que entenderem”, mas confia no civismo que os portugueses têm demonstrado.

A norma de exceção foi aprovada pelo Governo após o parecer do conselho consultivo da Procuradoria-Geral da República (PGR) que concluiu que os eleitores sujeitos a confinamento obrigatório devido à covid-19 podem votar presencialmente a 30 de janeiro para as eleições legislativas.

“O Governo tem a expectativa que esta recomendação seja ouvida e acatada, tal como as anteriores”, afirmou, sublinhando que “a única garantia” sobre a deslocação às urnas dos eleitores confinados entre as 18:00 e as 19:00 “é o histórico do comportamento exemplar” dos portugueses durante a pandemia.

Para a ministra, a segurança do direito ao voto “depende muito da atitude individual de cada um”.

Publicidade

Francisca Van Dunem disse também que o Governo não fez a recomendação para serem criadas circuitos alternativos para os eleitores em isolamento votarem, explicando que “não é possível nesses espaços haver espaços diferenciados”.

A criação de circuitos alternativas, uma possibilidade avançada pelo conselho consultivo da PGR, constituiu, segundo a ministra, uma “dificuldade de operacionalização”.

A governante frisou que esta questão é da responsabilidade das autarquias e que os municípios vão “observar as regras o mais possível”, nomeadamente o arejamento dos espaços e o distanciamento.

A ministra afirmou igualmente ser importante que “as pessoas tenham a preocupação de observar as regras de proteção”, como o uso da máscara, higienização das mãos e distanciamento social, além dos eleitores levar uma “esferográfica individual” para votar.

Relativamente às pessoas que estão nas mesas de voto, a ideia é “reforçar o nível de proteção dessas pessoas”.

Francisca Van Dunem recordou ainda que diariamente há um número muito grande de pessoas em confinamento e que a lei já prevê que possam sair de casa para tratar de questões de saúde, segurança social e fazer testes de diagnóstico à covid-19.

“Temos um contingente de pessoas que se desloca e até hoje não há indicação de que daí tenham resultado cadeias de transmissão autónomas”, disse.

Publicidade
Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também