O NT contactou todas as instituições de apoio a seniores existentes no concelho, que garantem não ter havido ainda nenhum caso confirmado de Covid-19.

No Lar Padre Joaquim Ribeiro, até esta quarta-feira, não havia nenhum infetado quer entre os 40 utentes do lar residencial quer entre os 40 colaboradores, que estão a trabalhar “em espelho”, em turnos de 12 horas, de forma a não se cruzarem. O centro de dia foi encerrado no dia 13 de março.

Também na Santa Casa da Misericórdia não há registo de nenhum utente nem colaborador de nenhuma das valencias com infeção por Covid-19.
Nos lares residenciais, que acolhem no total 110 utentes, os colaboradores também trabalham “em espelho” e não trocam de instalações, que têm funcionado de forma autónoma. No apoio domiciliário, a instituição cobre as necessidades de 80 pessoas.

Durante estes dias de agravamento do surto, os colaboradores, antes de entrar ao serviço, são sujeitos à medição da temperatura para despistagem de febre. Todos os trabalhadores, segundo fonte da instituição, vão ser testados para a Covid-19, sendo que todos passarão por este processo de rastreio.

Em S. Mamede do Coronado, o Centro Social e Paroquial também não registava, até esta quarta-feira, qualquer caso de Covid-19, entre os 107 utentes do lar residencial, as 30 pessoas apoiadas no domicílio e os 44 colaboradores.

Os funcionários estão a trabalhar “em espelho”, em turnos de 12 horas e já foram criados quatro espaços de isolamento para o caso de haver casos de infeção, quer entre os utentes, quer entre os colaboradores.

Na Muro de Abrigo, o centro de dia encerrou a 16 de março. Já no apoio domiciliário, as 30 pessoas apoiadas, dos concelhos da Maia e da Trofa, contam com a ajuda de 11 funcionários. Também neste caso, não há registo de infetados pelo novo coronavírus.

A ASCOR, em S. Romão do Coronado, encerrou a valência de centro de dia no dia 16 de março.