Clube Slotcar da Trofa promoveu uma Lan Party, onde mais de 30 jovens conviveram através dos videojogos. Associação adotou modalidade recentemente.

Tiago Azevedo pode passar dez horas a jogar num dia. Mas também pode só estar à frente do computador duas horas. Para quem só o conhece no mundo virtual, é “Emerica” e faz parte da equipa que representa o Clube
Slotcar da Trofa nos videojogos. 

Na sede da associação, o grupo organizou uma Lan Party, no passado fim de semana, onde participaram mais de 30 jogadores. Para quem não conhece, uma Lan Party é uma iniciativa que reúne jogadores para disputarem vários torneios de jogos como Counter Strike, League of Legions ou Trackmania. No entanto, nestes eventos há uma forte componente de convívio.

Num dos pisos da associação, durante a tarde de sábado, os elementos dos Hallucination e outros participantes preparavam-se para uma “maratona” de jogos. Apesar de estar a dar os primeiros passos em Portugal, o chamado gaming (designação utilizada para definir a modalidade de videojogos) está em franca expansão. Os Hallucination, do qual Emerica faz parte, são o exemplo da adesão dos trofenses. “Emerica” criou um grupo online, em 2007, para jogadores da Trofa que, atualmente, conta com “cerca de 400” subscritores.

Na Lan Party não participaram só jogadores da Trofa. Alguns vieram de Santo Tirso, outros até de Aveiro. O grupo não estava à espera de tanta adesão e teve de declinar alguns pedidos oriundos do Porto e Matosinhos. “Um dia, espero fazer um evento de grande escala”, desabafou, perante o sucesso da primeira experiência. As relações de amizade entre jogadores começam, quase sempre, a quilómetros de distância, atrás de um ecrã: “As pessoas interagem como se fosse pessoalmente. No início há uma grande interação online, através de programas de conversação através de voz. Só depois nos juntamos para participar em torneios e aí se criam os laços de amizade”.

Ao perceber que os resultados melhoravam ao longo do tempo, os Hallucination perceberam que “a brincadeira” dava frutos e decidiram pedir o apoio do Clube Slotcar da Trofa, que os recebeu de braços abertos. “Fomos muito bem recebidos. Dão-nos condições excelentes e isso tem contribuído para que subamos no top nacional”, explicou “Emerica”. Hoje, o grupo sabe da “responsabilidade” que recaiu nos seus ombros por representar uma associação e até “livro de táticas” tem. A modalidade está “numa fase inicial” no Clube Slotcar da Trofa, que recebe, semanalmente “15 a 20 elementos” para jogarem. 

João Pedro Costa, presidente da coletividade, afirmou que o objetivo é “cativar mais jovens” ao clube, que está aberto a novos jogadores. Ao acolher o gaming, o Clube Slotcar da Trofa destaca-se ainda mais como coletividade com modalidades alternativas. Recorde-se que esta associação tem ainda equipas de bilhar e, claro está, de sloctar, muito respeitadas a nível nacional. 

Enquanto a modalidade se expande em Portugal, os Hallucination prometem arrebatar os tops nacionais. Na Lan Party venceram e ficaram à frente de SMC, de Santo Tirso, e de LAB, de Aveiro. A equipa é composta por Tiago Azevedo (Emerica), Paulo Pinheiro (jmZz), Fábio Coelho (Logik), Jorge Oliveira (soprano) e Vítor Diogo (dVtTt). 

Pode saber mais sobre o grupo através do site www.hc-esports.com.

{fcomment}