Com sete anos de existência o Agrupamento Musical Juventude em Força é uma associação que se preza por levar o nome da Trofa a vários pontos do país. A evolução é constante, pelo que o grupo pretende receber ajuda financeira para a construção de uma sede.

  A criação do Agrupamento Musical Juventude em Força na freguesia de S. Mamede do Coronado, pertencente ao concelho de Santo Tirso na altura, surgiu da ideia do ainda presidente Zacarias Santos Rodrigues, no dia 10 de Outubro de 1997, com o nome "Zé's Pereiras de Boinas Azuis".

juventude-em-forca.jpgO grupo inicialmente composto por adultos e crianças começaram a ensaiar aos domingos de manhã numa antiga escola, em que todos aprenderam a utilizar os instrumentos, com a ajuda dos que já tinham participado noutros grupos e sabiam como tocar as flautas, gaitas de foles, caixas, tarolas e os bombos.

Como toda a associação que inicia a sua actividade, o Agrupamento Musical Juventude em Força não apresentava grande disponibilidade financeira, pelo que tiveram que arranjar as fardas provisórias. Todos os elementos envergavam camisas brancas e saias ou calças de cor azul-marinho, com uma fita vermelha de cada lado, envergavam também uma boina azul com uma fita amarela e outra azul.

Depois de vários ensaios, o grupo teve a oportunidade de se apresentar oficialmente para um espectáculo em Santa Cruz do Bispo, Matosinhos, que não podia ter corrido melhor para os "boinas azuis". Aí foi dada a confirmação de que todo o esforço dispendido para a criação do grupo não tinha sido em vão e que tinha um futuro "risonho" pela frente.

Pouco tempo depois, surgiram outros convites, contribuindo para o reconhecimento do conjunto em vários pontos do país. De Viana do Castelo a Viseu, o público percorria vários quilómetros para os ver, ouvir e aplaudir.

Esta ascensão do grupo, permitiu também um aumento lucrativo, que deu oportunidade para a aquisição de mais instrumentos, como as flautas de madeira, e novas fardas. A camisa branca passou a ser amarela, cor do concelho a que pertenciam, na altura Santo Tirso. Para além desta tiveram oportunidade de adquirir também outra camisa, mas de cor azul, que passou a ser a mais usada e em que vinha estampado o emblema dos "boinas azuis".

Ao longo do tempo, os mais velhos foram abandonando o grupo, e para os substituir entraram outros mais jovens, o que contribuiu para uma pequena revolução no Agrupamento, que acabou por ser constituído, maioritariamente por adolescentes. Por isso, dois anos depois da sua criação, o presidente, Zacarias Santos Rodrigues, decidiu alterar o nome, para que ficasse de acordo com o panorama jovem que apresentavam e pelo facto de a freguesia de S. Mamede do Coronado ter passado a pertencer ao recém-criado concelho da Trofa.

Depois de várias propostas apresentadas, o nome "Agrupamento Musical Juventude em Força", acabou por ser o mais indicado para um grupo jovem e dinâmico, que espalhava a sua música e os seus sorrisos por onde passava.

Com esta alteração, também os emblemas e fardas tiveram que ser modificados. Para além das camisas e do emblema, adquiriram também uma nova boina, que em vez de azul com uma fita amarela e azul, passou a ser azul-marinha com uma fita vermelha e azul-marinha.

Actualmente, este grupo é constituído por 36 elementos e possui quatro tarolas, dez bombos, quinze caixas, seis gaitas de foles, uma bandeira, e para animar ainda mais as festas em que participam, têm dois gigantones com altura a rondar os três metros. O Agrupamento Musical Juventude em Força possui também duas carrinhas, pois nunca obtiveram ajudas a nível de transporte.

Sete anos depois da sua primeira aparição, todos os intervenientes agradecem "a todas as pessoas que acreditaram no trabalho que desenvolveram e todas as contribuições financeiras, da Junta de Freguesia de S. Mamede do Coronado e da Câmara Municipal da Trofa, mesmo sendo pequenas, s

são entregues como maior carinho".

O Agrupamento Musical Juventude em Força apela ainda para a importância de um novo local para a sua sede, pois neste momento utilizam a casa do presidente, Zacarias Santos Rodrigues, que para além de constituir alguns constrangimentos, o espaço começa a ser pequeno para o dinamismo deste grupo trofense.