A JS (Juventude Socialista) foi a votos no passado sábado e a lista única encabeçada por Marco Ferreira, mereceu a confiança de 50 jovens socialistas.

   "Vamos ter de trabalhar, ser activos e pró-activos em nome de algumas lutas que queremos travar, de algumas coisas que queremos por em prática e de algumas sugestões que temos a dar aos órgãos competentes do nosso concelho", afirmou Marco Ferreira, o novo presidente da JS concelhia.

Atendendo ao facto de que "a JS estava um pouco inoperante a adesão não foi a esperada, no entanto foi algo dentro dos limites normais". Cinquenta votos a favor da lista A e um branco, nos cerca de 190 inscritos.

Lembrando a importância das eleições internas Marco Ferreira frisou ainda: "É importante termos pessoas com representatividade assumida nos órgãos distritais e nacionais, para termos legitimidade nas lutas que pretendemos abraçar a partir de agora".

A Juventude Socialista tem já algumas ideias às quais chama "bandeiras", onde se destaca a criação de um pólo da juventude, "algo que existe nos concelhos limítrofes, mas não aqui", a criação de um cinema, de uma zona de restauração mais alargada, a criação de uma zona de lazer, bibliotecas, teatros, "e penso que não falta espaço, é possível fazê-lo cá", afirmou o novo presidente.

Agora, a JS vai "estudar melhor, fazer um projecto, bem elaborado e depois apresentá-lo às entidades competentes", visto que também ambicionam a criação dos TUT (Transportes Urbanos da Trofa), "um grande passo rumo à modernização do nosso concelho".

O objectivo desta equipa composta por Marco Ferreira, Tânia Ribeiro, Daniel Pereira, Mauro Silva, Daniel Azevedo, Daniel Ferreira e José Dias é "dar a conhecer a nossa estrutura, as pessoas que lideram a JS, apresentar as nossas ideias e o trabalho que queremos por em prática", concluiu o líder do grupo.