Sílvia Reis foi uma das dez eleitas para representar Portugal na Miss European, que decorreu de 6 a 12 de outubro na Irlanda. Antes, esteve “três dias no Hotel Resort Adriana Beach Club”, no Algarve, onde ensaiaram pa-ra a prova do Team Dance.

Constituído por “três provas distintas”, Portugal consagrou-se campeão na Prova de Natação, de Dança e de Beleza, tendo “os júris de todos os países sido unânimes na sua opinião” e afirmado que “Portugal era das equipas mais bonitas”.
Sílvia Reis esteve no lote das dez representantes de Portugal na Miss European, depois de ter sido uma das 15 finalistas nacionais apuradas na Miss Look Glamour. Para a jovem, de 23 anos e residente na Trofa, o concurso “correu muito bem” e foi “uma boa experiência”. “Entrar em contacto com uma nova cultura, um novo clima e conhecer pessoas de dez países completamente diferentes foi a maior experiência da minha vida. Nunca fiz nada parecido, aprendi muito e acima de tudo fiz muitas, novas e boas amizades dentro e fora de Portugal”, acrescentou.
Para conseguir manter o título de Team Dance, Sílvia Reis denotou que “trabalharam arduamente”, conseguindo esta “proeza” com “apenas dois dias de ensaios”, que foram “muito intensos e difíceis”, em que as jovens foram levadas à “exaustão”. “Não somos dançarinas e não tínhamos preparação física para tal, mas mesmo assim ultrapassamos todas as barreiras de cansaço, todas as lesões que foram surgindo com o esforço físico e chegamos bem preparadas à Irlanda, onde só realizamos a prova no penúltimo dia”, completou, adiantando que “alguns” dos dez países europeus já ensaiavam a coreografia “desde junho”.

Esta experiência foi para Sílvia “incrível”, pois como “nunca” foi bailarina e dançou, ter que dançar “proporcionalmente para uma grande audiência e numa competição com cem meninas bonitas avaliadas por dez países foi incrível” e “fez crescer” em si “a vontade de para o ano repetir a experiência e quem sabe trazer pelo terceiro ano consecutivo a taça do Team Dance para Portugal”.
A jovem trofense adorou estes dias que passou como “uma equipa”, em que ao longo destes “dias intensos de preparação e competição” nasceu “uma nova família”, em que se “agarravam umas às outras para superar as dificuldades juntas”, mostrando que “nas dificuldades e nas vitórias eram uma equipa unida”. “Isso fez de nós a equipa mais forte do concurso, fazendo-nos vencer as três provas e trazer as três taças para Portugal. Foi uma experiência arrepiante, pois estes dez dias foram diferentes em tudo. Pela primeira vez tivemos de deixar de pensar em nós mesmas e passar a pensar como uma equipa. No final, foi muito difícil despedirmo-nos e separármo-nos, pois somos uma verdadeira equipa até ao final”, concluiu.
Sílvia Reis acrescentou ainda que seria “muito bom” que as “cidades de cada candidata as apoiassem mais”, uma vez que estão a “concorrer a títulos internacionais e a participar em concurso de reconhecimento mundial”, onde levam “o nome das suas cidades bem mais longe”.