“Estabelecer sinergias em áreas como fundos comunitários, acessibilidades, transportes, equipamentos, ambiente, cultura e turismo”. Este foi o objetivo do presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, Joaquim Couto, com as reuniões que realizou com os autarcas da Trofa, Vila Nova de Famalicão, Maia, Valongo, Paços de Ferreira e Matosinhos.

Este foi o primeiro passo num trabalho que Joaquim Couto pretende que prossiga “nos próximos meses” no “domínio técnico”, uma vez que “saiu a decisão de serem organizadas comissões de trabalho, no sentido de se avançar tecnicamente em diversos dossiês”.

Nas reuniões com os autarcas, abordaram-se temas como um plano estratégico concertado para a bacia do rio Leça, envolvendo Maia, Valongo e Matosinhos, a rede de transportes intermunicipal, um plano integrado de promoção cultural e desportiva, o Roteiro da Cultura Castreja, a Rota do Românico ou questões do foro ambiental.

“Preconizar uma política autónoma em áreas como os transportes, as acessibilidades ou os fundos comunitários não surtirá efeito, pois já não é possível pensar em crescimento e desenvolvimento sustentável de uma forma fechada e individualizada”, considerou Joaquim Couto, que defende que “as políticas municipais só terão viabilidade se forem vistas num âmbito territorial mais vasto e com uma massa crítica populacional”.