No passado dia 5 de Abril os militantes do Partido Socialista da Trofa elegeram os Secretariados das secções de S. Martinho e S. Tiago de Bougado, Alvarelhos, S. Romão e S. Mamede do Coronado e a Comissão Politica Concelhia do Partido Socialista da Trofa.

   Para a Comissão Politica Concelhia foi uma eleição renhida, com muito empenho por parte dos militantes e dos membros das listas que afincadamente visitaram todos os militantes e expuseram as linhas orientadoras das respectivas listas, mas mais uma vez a lista encabeçada por Joana Lima saiu vencedora.

Foram de facto umas eleições muito participadas que demonstraram que o Partido Socialista está bem vivo no nosso concelho e pronto para as "batalhas" que se avizinham.

Nestas eleições não estava só em causa a presidência da Comissão Politica Concelhia, mas, sejamos claros, a candidatura às próximas eleições autárquicas de 2009.

Desígnio assumido claramente por Joana Lima na apresentação da sua candidatura e do seu projecto para o Partido Socialista e para a Trofa e com o qual inequivocamente me identifico.

Importa agora recordar o meu curtíssimo percurso na política e as razões pelas quais me identifico com o projecto desenvolvido por Joana Lima na liderança do Partido Socialista da Trofa.

A minha militância no Partido Socialista iniciou-se em 1999 pelas mãos de militantes de S. Romão que me consideravam uma jovem (na altura com 21 anos) que poderia dar algum contributo para o partido.

Quando comecei a participar em algumas reuniões achava-as uma grande seca (que me perdoem os militantes) e assistia-as com grande esforço!

Revendo agora a situação reconheço que o que realmente me faltava era motivação para participar activamente na vida politica e ânimo para considerar aquelas longas reuniões proveitosas.

Em 2005 fazia eu parte da Comissão Politica Concelhia, quando se discutia a liderança da mesma visto que, o presidente na altura ter de abdicar do cargo por questões profissionais.

Estávamos a poucos meses das eleições autárquicas e urgia reconhecer rapidamente um presidente para preparar as eleições e transmitir aos militantes e aos eleitores em geral a estabilidade e a segurança de um líder forte.

Joana Lima assumiu a liderança com um sentido de responsabilidade incrível e uma forte determinação e entusiasmo.

Naquela reunião fiquei impressionada com a coragem da Joana e a partir daquele momento tornei-me sua apoiante incondicional e despertei para a política activa.

À medida que o tempo vai passando a minha admiração e orgulho por fazer parte de um projecto consistente e credível para a Trofa aumenta.

Reconheço na minha camarada e amiga uma força e uma energia indescritível só existente em grandes mulheres com enormes convicções e ideais.

O seu percurso profissional e político são disso exemplo.

Grande lutadora, persistente, trabalhadora que conquistou o respeito de homens e mulheres fruto de muito trabalho continuo, sério e árduo, aliado ao desempenho das suas funções de esposa, mãe, dona de casa e amiga dedicada e atenta.

Se hoje estou na política, fazendo parte de alguns órgãos, com responsabilidade, gosto e empenho devo-o ao seu exemplo, ao seu incentivo e apoio e ao seu entusiasmo contagiante.

Adivinham-se grandes lutas para o Partido Socialista, mas com uma grande líder serão certamente muito mais fáceis e jamais faltará entusiasmo.

 

Teresa Fernandes