Nos últimos tempos tenho lido algumas notícias sobre a Trofa em jornais nacionais, mas três delas não vou comentar agora, nomeadamente as publicadas no jornal “O Crime” e outra publicada no “JN”, mas não deixarei de as comentar.

As que mais me preocupam são as que afectam as crianças da Trofa, principalmente as de menores recursos.


O PSD enquanto líder dos destinos do nosso concelho teve como uma das principais apostas a Educação. Primeiro apostou na formação ao incluir o ensino de inglês, música e a prática de educação física. A par disso proporcionou alimentação nas escolas e o transporte escolar. Depois, projectou e iniciou as obras das escolas para melhorar as condições de aprendizagem. As mesmas escolas que Joana Lima se envaidece por colocar o seu nome nas placas de inauguração.

Esta aposta não foi inocente ou descabida de racionalidade. Não!

O principal activo de um concelho são as pessoas, o bem-estar das famílias e dos mais idosos, a igualdade de oportunidades das crianças no acesso à educação, proporcionando condições para terem sucesso no futuro.

Ora, Joana Lima, que se diz vinda de família humilde e usando este argumento como “arma” política para convencer os mais distraídos, despreza a igualdade de oportunidades das crianças no acesso à educação, pondo em risco a sua vida e saúde.

Joana Lima, com a ajuda da “contabilidade” de Magalhães Moreira, consegue pagar os livros a todas as crianças do ensino básico da Trofa. Paga aos mais necessitados e paga às crianças com pais endinheirados.

Ao mesmo tempo, Joana Lima consegue retirar este benefício com as duas mãos. De uma assentada, com a ajuda da “contabilidade” de Magalhães Moreira, retira o transporte escolar às crianças com idade entre os 3 e 5 anos, retira o transporte às crianças com idade entre os 6 e os 9 anos e que a sua casa diste 4 KM da escola com cantina e retira o transporte às crianças entre os 6 e 9 anos e que a sua casa diste 3 KM da escola sem cantina.

Não interessa se têm dinheiro ou não. Não interessa se têm de fazer bastantes quilómetros para poderem frequentar a escola ou não. Não interessa se põe em risco a vida de uma criança ou não. O que interessa é conseguir mais uns trocos para gastar mal gasto noutra coisa qualquer, pois não faz obra, nem paga divida. Joana Lima esqueceu-se das dificuldades de quem não tem dinheiro ou passa dificuldades financeiras derivadas da austeridade que atravessa o país.

Mas, não é só. Joana Lima também põe em causa a saúde das crianças entre os 10 e 15 anos por desleixo e mediocridade política, ao não aproveitar um investimento de 7.000.000 de euros (7 milhões de euros) dos organismos centrais para requalificação e substituir os telhados com amianto da escola EB23 Napoleão Sousa Marques. Saliento que Magalhães Moreira e a sua “contabilidade” não têm desculpa, pois a Câmara não necessitava de investir um cêntimo!

Sabem, tenho três filhos a caminho de quatro e prezo muito a sua formação e saúde, pois é a “cana de pesca” que lhes deixo para o seu futuro. Se, por acaso, houvesse alguma pessoa ou entidade que pusesse em causa a saúde dos meus filhos processava-a criminalmente. Sem a menor dúvida!

Hoje, ficamos a saber que o desprezo pelas crianças tem nome – Joana Lima!