“Os Universos de Eduardo Prado Coelho” é o tema do colóquio que vai reunir, na próxima sexta-feira, dia 29 de Abril, pelas 14h30, diversos académicos de renome nacional na Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco, em Vila Nova de Famalicão. Com a coordenação científica do professor Sérgio Sousa, da Universidade do Minho e da professora Eunice Cabral, da Universidade de Évora, o colóquio conta ainda com as participações da investigadora da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Rita de Brito Benis, que apresentará o tema: “Eduardo Prado Coelho e o Cinema Português” e do professor catedrático e investigador da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, António Pedro Pita, que falará sobre “O que ainda não tem nome. Eduardo Prado Coelho e o Comunismo”.
O colóquio promovido pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão é, de acordo com o presidente da autarquia Armindo Costa, uma forma de “honrar a memória de Eduardo Prado Coelho, divulgando a sua obra e o seu universo intelectual, que abraçava áreas tão distintas como o cinema, a linguística, a filosofia e a política, entre muitas outras”.

No final do colóquio, o poeta e ensaísta Manuel Gusmão, irá receber o Grande Prémio de Ensaio Eduardo Prado Coelho, um galardão criado pela Associação Portuguesa de Escritores (APE) e pela Câmara Municipal de Famalicão e atribuído pelo segundo ano consecutivo. Manuel Gusmão foi distinguido pela obra “Tatuagem Palimpsesto – da poesia em alguns poetas e poemas”, editada pela Assírio & Alvim.
Refira-se que a organização do colóquio e a criação do Grande Prémio inserem-se num plano de acção cultural promovido em torno de Eduardo Prado Coelho. Depois da abertura ao público, em Março de 2008, da biblioteca com o espólio bibliográfico que Eduardo Prado Coelho (1944-2007) doou ao Município de Famalicão, a autarquia famalicense avançou uma série de iniciativas culturais.
Ao todo, são cerca de 12.500 títulos que preenchem a Biblioteca Eduardo Prado Coelho, instalada no edifício central da Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco, e que abarcam múltiplas matérias e variados saberes. Literatura, linguística, psicanálise, cinema, fotografia, artes plásticas e arquitectura, são alguns dos temas representados na biblioteca, perante a qual é possível como que reconstituir o percurso biográfico e a evolução dos interesses do escritor.
Falecido a 25 de Agosto de 2007, com 63 anos, Eduardo Prado Coelho Crítico foi literário e polemista, sendo presença assídua no espaço público onde se envolvia de forma activa nos debates culturais e políticos. Autor prolífico deixou uma vasta bibliografia universitária e ensaística.
A decisão de doar a biblioteca pessoal de Eduardo Prado Coelho à Câmara de Famalicão foi tomada pelos familiares do escritor e justificada, em primeiro lugar, pelo desejo de que o espólio se mantivesse junto e fosse tratado documentalmente. Na altura, a sua filha Alexandra Prado Coelho afirmou que o pai “aprovaria esta decisão, já que ele acompanhava, com atenção e interesse, a actividade cultural da Câmara de Famalicão”.