traficohumanoO Tribunal Colectivo das Varas Criminais do Porto condenou hoje o responsável por uma rede de imigração ilegal que actuava a partir da Trofa, a seis anos de prisão efectiva.
Esta condenação vem na sequência de uma investigação efectuada pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), que deteve os três elementos responsáveis pela rede, dois cidadãos estrangeiros e uma cidadã portuguesa.
O Tribunal condenou o principal arguido à pena de seis anos de prisão efectiva pela prática dos crimes de auxílio à imigração ilegal e falsificação de documentos.
Um segundo arguido foi condenado a dois anos de prisão, suspensa na execução por igual período e o terceiro a 14 meses de prisão, suspensa por igual período.
A actividade criminosa destes cidadãos, cujo principal arguido era administrador/contabilista desenvolveu-se, entre 2001 e 2004, na zona da Trofa.
O principal arguido efectivava a criação de empresas, por eles ou por interposta pessoa, com o único intuito de celebrar contratos de trabalho fictícios com candidatos a imigrantes.
Estes contratos eram posteriormente vendidos aos candidatos a imigrantes, por quantias entre os 600 a 1000 euros, juntamente com declarações de descontos para a Segurança Social com dados falsificados.
A investigação indica que este esquema envolveu centenas de imigrantes que desta forma entraram em Portugal de forma aparentemente legal.