haas Empresas da Trofa com aposta forte na inovação

A HAAS Automation é uma empresa de venda de máquinas de alta tecnologia que se instalou no Norte de Portugal em 2004. Para o director de vendas português, Carlos Vilas Boas, a Trofa é um “exemplo” no que respeita ao apetrechamento de máquinas inovadoras e exemplificou com empresas como a Mida, Frezite e Máquinas Pinheiro. Existe há um quarto de século, com a fábrica-mãe na Califórnia, mas entrou no mercado português apenas há quatro anos. O balanço relativo à expansão da HAAS Automation, fabricante de máquinas-ferramente, é bastante positivo, já que conseguiu vender 15 equipamentos no país. A previsão para este ano é a venda de meia centena de máquinas.

A empresa é o maior fabricante de máquinas dos Estados Unidos e tem como mercado emergente o chinês, que brevemente deverá ultrapassar as vendas da Europa (quatro mil unidades).

Para além de ter como principal função apetrechar as indústrias com equipamento de alta tecnologia, a HAAS Automation preocupa-se com a formação profissional dos jovens (tem um departamento específico, a HAAS TEC) e em Portugal já equipou escolas de Portalegre e Castelo Branco. Segundo Carlos Vilas Boas, director de vendas da HAAS, “os controladores da empresa são feitos com linguagem internacional, tornando-se acessíveis a qualquer aluno que conclua cursos de formação profissional”.

A acção nas escolas “não assenta apenas numa política de preços, mas também de financiamento especial”. Na Europa há já 40 centros com este material, com um grande investimento nos países de leste. Rússia, Bielorrússia, Polónia, Hungria e França são países que já foram intervencionados pela HAAS. Até no oriente a empresa tem uma participação activa. Como estratégia de comunicação patrocinou as olimpíadas da tecnologia que se realizaram no Japão.

“Participamos também no campeonato europeu da tecnologia, onde os portugueses ficaram muito bem classificados e os equipamentos para prestar provas eram nossos”, esclareceu Carlos Vilas Boas.

A HAAS possui “espaços próprios para a formação”, contando com o apoio de “vários parceiros” no software de maquinaria, ferramentas e funções dos processos de maquinação, localizados em Vitória, Barcelona, Madrid e Norte de Portugal, pois “esta região representa 80 por cento das vendas no país”. Um indicador de que é no Norte que as empresas mais apostam na inovação. No entanto, a empresa pretende alargar o seu leque de clientes, tendo prevista a construção de um centro similar, em Lisboa.

A Trofa é um “exemplo” no que respeita ao apetrechamento de máquinas de alta tecnologia, afirmou o director, que exemplificou com empresas como a Mida, Frezite e Máquinas Pinheiro.

As micro e médias empresas são o principal destino dos equipamentos fabricados pela HAAS que veio “revolucionar” o sector por “dois motivos”. Primeiro, porque “tem uma gama extensa que permite ao cliente resolver todos os seus problemas nessa área” e depois porque “tornou acessível um equipamento que tradicionalmente era 30 a 40 por cento mais caro, com um nível de qualidade/preço alto, que corresponde a cerca de 80 por cento da exigência do mercado mundial”, referiu.

A indústria metalomecânica, segundo o responsável, está “em crescimento” e que tem como palavra-chave a “dinâmica”.

“Os industriais correspondem àquilo que os estrangeiros esperam, que é a qualidade e o cumprimento dos prazos de entrega”.