Às 21 horas de sábado, o fogo de artifício marcava o início da procissão em honra de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, na freguesia de Guidões. No entanto o trabalho começou muitas horas antes. Durante a tarde, o movimento na rua de Vilar, onde teve início a procissão, era maior que o habitual. Enquanto os elementos do Grupo de Jovens S. João Baptista de Guidões se atarefavam a criar os cenários para os quadros vivos que iriam apresentar à noite, os moradores desdobravam-se a fazer o tapete por onde passaria o cortejo religioso. Uns colocavam as formas, outros depositavam as flores ou o serrim colorido, criando padrões mais ou menos trabalhados.

Já perto da hora da procissão, acendiam-se as velas e as lamparinas e colocavam-se as colchas brancas nas janelas. Quem esperava pelo início da procissão dividia os comentários, feitos em surdina, entre a beleza do andor de Nossa Senhora e do tapete colorido.

A tradição manteve-se viva e centenas de pessoas rumaram à igreja, rezando o terço e entoando cânticos marianos. Esta demonstração de fé terminou com a celebração da eucaristia. O cântico final – “Adeus” – foi cantado pelo grupo coral, sempre acompanhado pelas vozes dos fiéis, que permaneceram no interior da igreja até à última nota.

 

{fcomment}