“Samuel à conquista dos seus sonhos” é a obra de estreia da guidoense Anabela Silva Costa. O livro é editado pela Flamingo e pretende ser uma bússola para que crianças – e adultos – nunca percam a orientação no caminho rumo à concretização dos seus objetivos.

Foi no momento em que acabou de ler o primeiro livro que requisitou numa biblioteca ambulante, ainda criança, que Anabela Silva Costa, de 28 anos, percebeu que também queria ser contadora de histórias. O sonho nasceu e foi alimentando, aqui e ali, por “apontamentos” que foi fazendo, mas o tempo acabou por recolhê-lo numa gaveta. Apesar de suspenso, esse sonho nunca foi esquecido, até que foi concretizado. E se de sonhos falamos, também o livro de Anabela Silva Costa se alimenta de deles, mais propriamente os do Samuel, personagem principal desta obra infantil que, acredita a autora, “consegue tocar o coração de qualquer pessoa”.

“Porque fala de sonhos e todos temos sonhos. Normalmente, os pais gostam de ler aos filhos e penso que, ao contactar com esta história, também eles se sentirão tocados”, contou a autora, em declarações ao NT, sublinhando que encontrou na escrita “um ponto de partida” para realizar o próprio sonho de “levar felicidade e leveza às pessoas”.

O processo de escrita e edição do livro durou “cerca de um ano” e às palavras de Anabela a editora juntou as ilustrações de Tatiana Goldova. A imagem de Samuel foi inspirada no filho da escritora, de três anos, que também teve muita influência na história. “Quando penso em falar com crianças, naturalmente, eu penso no meu filho”, explicou.

Tendo em conta o contexto de pandemia, Anabela Silva Costa confronta-se com várias restrições para agendar apresentações públicas do livro, mas o objetivo é realizá-las. A primeira, contudo, já está agendada: a 28 de agosto, dará a conhecer a história do pequeno Samuel na Feira do Livro de Lisboa.
Entretanto, a obra já está disponível para aquisição, através do site da editora Flamingo.

Depois da estreia, Anabela Silva Costa já pensa nos próximos projetos literários: “Já tenho algumas ideias na gaveta e mantenho o objetivo de chegar a todos os públicos, num processo que, para mim, ainda está a ser uma descoberta”.