O Grupo Caridade de S. Martinho, em Covelas, ajuda as pessoas mais necessitadas com produtos alimentares, medicamentos e companhia, para quem não possa sair de casa.

Um ano depois do seu “nascimento”, o Grupo Caridade de S. Martinho continua a dar respostas, em termos sociais, perante as pessoas mais necessitadas, desde visita a doentes, às pessoas que se sentem sozinhas, e na distribuição de medicamentos. “Desde o início do projeto até este ano, as nossas contribuições têm tido um aumento muito significativo”, afirmou Laurinda Martins, presidente deste grupo. “Nós ajudamos, diretamente com alimentos e farmácia, cerca de 15 famílias. Em termos de visita temos 40 pessoas que têm um rendimento muito pequeno, pessoas que recebem à volta de 200 euros”, contou.

Um dos casos que muito preocupa esta associação é uma família paquistanesa com 12 pessoas, devido às muitas crianças que fazem parte deste agregado familiar. “Estamos muito atentas durante este período de férias, para que as crianças não passem fome”, assegurou. Para que o projeto chegue a “bom porto”, conta com a ajuda e o apoio de toda a paróquia de Covelas, que contribui com produtos alimentares e roupa. “Angariamos nesta época de Natal, desde as batatas, as couves, as cebolas e todas essas coisas que as pessoas têm em casa e podem disponibilizar”, acrescentou.

O grupo arranjou um espaço, que se situa na parte inferior da casa mortuária, cedida pela Junta de Freguesia de Covelas onde as pessoas se podem dirigir para serem apoiados. “Arranjamos mobílias velhas e pintamos, fizemos do velho novo e está uma sala muito acolhedora, bonita e maior. E é mais próxima da igreja”, disse. Segundo a responsável deste projeto, o espaço está aberto todos os domingos, das 9 às 10.30 horas. “Para podermos atender pessoas, para recebermos e darmos”. Além disso esta sala é utilizada para o Grupo Caridade de S. Martinho se reunir e fazer um balanço da situação da associação.

A próxima atividade que o grupo irá fazer para angariação de fundos, é o cantar das janeiras, que decorre entre as 19 e as 22 horas, e também vai participar na Festa de S. Gonçalo, que se realiza na última semana de janeiro, com uma quermesse, uma “barraquinha” que ajudará a angariar fundos para esta associação.

{fcomment}