God Save The Queen regressou esta semana a Portugal, e depois da atuação no Campo Pequeno em Lisboa, passou pelo Coliseu do Porto na noite de ontem.

A banda constituída por Pablo Padín, Francisco Calgaro, Ezequiel Tibaldo e Matías Albornoz anda em estrada com a tournée mundial The Show Must Go On, um espetáculo que tem no reportório os maiores êxitos da banda de Freddie Mercury.

Encontramos um Coliseu do Porto repleto de fãs da música dos ingleses, e a surpresa esteva mesmo nas filas da frente. Numa sala despida das cadeiras no piso térreo, os fãs encostados às grades eram jovens que possivelmente nasceram depois da morte de Mercury, o que prova a intemporalidade, força e popularidade da música dos Queen. Com o som original da banda inglesa e a impressionante semelhança física e vocal de Pablo Padin a Freddie Mercury, cada atuação da banda faz reviver momentos da história da música dos Queen, e para aqueles que nunca tiveram a oportunidade de ver os Queen ao vivo, como muitos destes jovens, ver God Save The Queen, será a maior aproximação possível a um concerto dos Queen.

Estes jovens e todos os que ontem enchiam a sala mítica do Porto puderam vibrar com os grandes singles de sucesso como We Will Rock You, Fat Bottomed Girls, Under Pressure, Bicycle, I Want to Break Free, Love of my Life, Bohemian Rhapsody, Another One Bites the Dust, Who Wants to Live Forever, Killer Queen, e Radio Ga Ga. A banda voltou a palco para um encore de três músicas, tendo Pablo entrado em palco com uma bandeira de Portugal com a qual se passeou enquanto cantava em uníssono com o público do Coliseu We Are the Champions. Um espetáculo intenso, repleto de emoção, muita energia e certamente a trazer recordações a muitos dos presentes.

God Save The Queen é uma banda de tributo mas é também um espetáculo musical de homenagem aos míticos Queen, banda inglesa formada nos anos 70 e cujo o auge aconteceu nos anos 80 e até à morte do vocalista Freddie Mercury em 1991. A banda de homenagem tem alcançado enorme sucesso quer aos olhos da critíca quer aos olhos dos fãs dos Queen, tendo sido já reconhecida pela prestigiada revista Rolling Stone e pelos mais de 3 milhões de espectadores por todo o mundo.

O currículo da banda conta com muitos momentos marcantes como o elogio recebido pela mãe de Mercury, Jer Bulsara, aquando do Freddie Mercury Memorial Day, em Montreux no ano de 2006. Um momento particularmente emocionante terá sido a surpresa de Brian May, o guitarrista dos Queen, a meio de um ensaio de uma tourné europeia para conhecer a banda e, diz-se, dar a sua aprovação.

Texto: Joana Vaz Teixeira
Fotos: Miguel Pereira

Fotogaleria (clica nas imagens para aumentar)
{phocagallery view=category|categoryid=64}