O Grupo Cultural e Recreativo de Alvarelhos festejou as Bodas de Prata com um jantar que reuniu direção, representantes autárquicos, sócios e amigos da coletividade. Os fundadores foram homenageados durante a cerimónia.

“Exemplo, carolice e obra”. Francisco Sá, sócio e fundador do Grupo Cultural e Recreativo (GCR) de Alvarelhos, resume desta forma os 25 anos da coletividade, assinalados na sexta-feira, dia 27 de maio. “Exemplo: pela maneira como a associação foi formada. Dois partidos conseguiram unir-se um objetivo comum, que era colmatar uma lacuna desportiva e cultural que havia em Alvarelhos. Carolice: Esta obra começou com o esforço de todos. Recordo que quando se comprou o terreno onde agora estão as infraestruturas da associação e se fez o campo de futebol, as pessoas marcaram o campo à mão, pegando na terra. A obra, está à vista, com o edifício, mas, mais importante, proporcionando aos jovens uma prática desportiva saudável”, explicou.

A coletividade nasceu em 1986, graças à vontade de um grupo de alvarelhenses empenhados no desenvolvimento da freguesia. Em dia de festa, estes homens não foram esquecidos e a associação prestou-lhes a devida homenagem.

Foi num ambiente descontraído que direção, representantes autárquicos, sócios e amigos do GCR de Alvarelhos comemoraram esta data. A festa começou com uma eucaristia e continuou depois numa quinta em Alvarelhos. Trajados a rigor, com o cachecol da associação, dezenas de pessoas recordaram o início da coletividade, não sem antes cantarem os tradicionais “Parabéns” e provarem o bolo de aniversário.

Vinte e cinco anos depois, como fundador, Francisco Sá não espera mais nada da associação: “Se os jovens têm a oportunidade de fazerem alguma coisa, quer a nível pessoal, quer a nível de coletividade, os objetivos da associação estão a ser cumpridos”. Houve apenas uma meta que “não foi ainda plenamente atingida”. “A nível cultural houve uma lacuna. Acho que não conseguimos reunir a cultura de Alvarelhos neste grupo”, confessou.

Mas afinal qual é o segredo para 25 anos de atividade? Para responder a esta questão, nada melhor que o atual presidente da associação. Vítor Azevedo fala de “camaradagem, amizade, um grupo de pessoas muito grande, envolvidas em torno de um projeto que se quer ainda maior”.

Conhecendo bem a associação, Vítor Azevedo não esconde o orgulho no momento de fazer uma descrição: “Somos uma associação única”. “Tivemos um início algo atribulado, complicado até, com vários intervenientes, várias personalidades das mais diversas áreas como política, religiosa e cultural. Envolveram-se num projeto com a ideia de ser grandioso e acho que hoje é-o de facto”, acrescentou.

Nesta cerimónia, passado, presente e futuro andaram de mãos dadas. “Não existe hoje o aniversário dos 25 anos sem o primeiro dia, assim como não existem 25 anos sem o dia de hoje, pois o calendário estaria sempre incompleto”, refere o responsável. Esta festa pretende “ter toda a abrangência”.

Mas o futuro não foi esquecido e o objetivo é “crescer, crescer, crescer, sempre em defesa daquele que é o princípio-base da associação: a ocupação de tempos-livres de crianças e jovens e a prática desportiva”. “Também queremos ser orientadores dos mais novos. Enquanto este princípio for válido e for bem defendido, estou seguro que a associação continuará a crescer e chegará muito longe”, garantiu Vítor Azevedo.

Joaquim Oliveira marcou presença nas comemorações como presidente da Junta de Freguesia de Alvarelhos, mas também como presidente da assembleia-geral da coletividade. Conhecendo de perto o trabalho desenvolvido, não hesita em afirmar que o GCR de Alvarelhos “não tem recebido em troca aquilo que merece”.

Enquanto presidente da Junta de Freguesia, Joaquim Oliveira confessa que tem “consciência” de que, “se não fosse o apoio institucional da Junta, dificilmente o clube teria condições para sobreviver”. “Espero que o executivo que vier substituir o atual tenha o mesmo espírito e a mesma vontade de, através do mundo associativo, fazer o engrandecimento da freguesia”, acrescentou.

A vereadora do Desporto e Juventude da Câmara Municipal da Trofa também marcou presença nas comemorações. Teresa Fernandes considera que esta é “uma associação que, definitivamente, tem trabalhado muito, não só em prol do concelho, mas também da freguesia e do bem-estar dos alvarelhenses”. Durante a noite foi pedido o apoio da câmara municipal à associação. A vereadora garantiu que, “inevitavelmente e dentro das suas possibilidades”, a autarquia “terá todo o gosto em contribuir para que a conclusão das obras do pavilhão do Alvarelhos seja uma realidade o mais brevemente possível”.

Teresa Fernandes evidenciou ainda que o concelho “tem muitas associações e poucas chegam aos 25 anos”. “Este deve ser mais um incentivo para que o GCR de Alvarelhos continue a trabalhar nos próximos 25 anos e para que as outras coletividades trabalhem para alcançar esta marca”, referiu.

Para isso, Vítor Azevedo deixa um conselho: “Trabalhem em prol do desporto, das crianças, dos jovens, dos diferentes lugares, das diferentes freguesias onde pertencem”. “Isso é o melhor que pode haver. Sempre que uma associação se desvia desse canal, acaba por perder a identidade”, concluiu.

 

{fcomment}