Foi pela Travessa da Revolta que cerca de mil pessoas iniciaram o protesto, na manhã deste domingo, através de uma caminhada contra a instalação do aterro sanitário na Freguesia de Covelas, na Trofa.

Sem bandeiras, nem cores partidárias, a população de Covelas e de outras freguesias do Concelho da Trofa encontraram-se na Capela de S. Gonçalo e desta vez o mote não foi o passeio ao rojão mas ” defender a qualidade de vida e saúde da população do Concelho da Trofa ” adiantou Domingos Faria um dos elementos dinamizadores do Movimento. 

Por entre árvores, flores e saltitando sobre as pedras para fintar o curso de água pessoas de todas as idades fizeram-se ao caminho, determinadas a chegar ao terreno onde Câmara da Trofa e RESINORTE acordaram instalar o aterro. 

No pelotão da frente e a marcar o ritmo seguia o Padre José Ramos que manteve motivados os caminheiros monte acima: “o que nos move é o dever de cidadania, aqui não está em causa o credo nem é uma manifestação política. É uma manifestação do povo ” reiterou.