Frezite venceu o Prémio PME de internacionalização. José Manuel Fernandes considera que reconhecimento é uma “consequência”.

A Frezite foi uma das vencedoras dos “Prémios Exportação & Internacionalização”, criados através de uma parceria do Jornal de Negócios e do Banco Espírito Santo. A empresa arrecadou o prémio na categoria de PME (Pequenas e Médias Empresas). O prémio foi entregue por Paulo Fernandes, presidente do Grupo Cofina, a José Manuel Fernandes, líder da empresa de engenharia de soluções para ferramentas de corte, sediada na Trofa.

José Manuel Fernandes referiu, a propósito deste prémio, que a estratégia da Frezite assenta “num triângulo” cujos vértices são “a qualidade, a inovação e a internacionalização”.

“Hoje chegamos a uma posição em que 65 por cento da nossa atividade é para mercados externos. Internacionalizar significa um desafio constante, significa estarmos atentos às melhores práticas e vivermos o ambiente de novos mercados e exigências”, frisou em declarações ao Jornal de Negócios.

O prémio arrecadado é, para o líder da empresa, “uma consequência” e foi dedicado “a todos os colaboradores do Grupo”.

Neste momento, a Frezite está representada em 12 nações, mas exporta para “55 países”. A empresa está agora a estudar a entrada em novos mercados como México, África do Sul e Polónia.

Um dos segredos do sucesso da empresa é “adquirir conhecimento, permanentemente”. “As nossas armas para entrar nos mercados são competência, conhecimento e idoneidade naquilo que fazemos. Atuamos sobre o preço e sobre a qualidade e a nossa prioridade é o cliente”, reforçou José Manuel Fernandes.

A Frezite, fundada em 1978, tem 170 trabalhadores em Portugal e faturou cerca de 13,5 milhões de euros, em 2010.

Ao concurso “Prémios Exportação & Internacionalização” concorreram 129 companhias.

{fcomment}