Para Sérgio Humberto, líder do PSD Trofa, o executivo camarário comandado por Joana Lima, “não tem um projeto credível” e revelou ter “um poder de persuasão diminuto” junto da Administração Central em processos como o metro e as variantes.

“Foram três anos perdidos, com políticas erradas e constantes faltas à verdade feitas por pessoas de plástico”. Estas foram algumas das muitas críticas que Sérgio Humberto, líder da Comissão Política Concelhia (CPC) do PSD dirigiu ao executivo camarário ao avaliar três anos de mandato do PS à frente da Câmara Municipal.

O social-democrata afirmou que Joana Lima e os restantes vereadores do PS demonstraram “más habilidades e manobras políticas, incapacidade e falta de preparação para gerir os destinos do concelho”. “(Este executivo camarário) não tem como nunca teve um projeto credível”, frisou, acrescentando que, em vez de fazer obra, os socialistas preferiram tomar o lugar “de Kalimero” e “passar três anos a lamentar-se, desculpando-se com o passado”.

A construção dos Paços do Concelho (PC), uma das bandeiras eleitorais de Joana Lima, foi o primeiro alvo de Sérgio Humberto. Segundo o líder “laranja”, “em cem dias, ela anunciou a localização dos PC, com grande pompa e circunstância”, porém, “entretanto, no meio disto, houve uma fuga para a frente para localizar os PC, onde está localizada a Escola Básica 2/3 Professor Napoleão Sousa Marques, porque não podiam ser construídos no local anunciado, inicialmente”. 

“Hoje, sabemos que os PC não vão ser possíveis com Joana Lima à frente da Câmara Municipal da Trofa. Sabemos que, atualmente, está em negociações para alugar um armazém para instalar os serviços da autarquia”, sublinhou.

Leia a reportagem completa na edição desta semana d’ O Notícias da Trofa, disponível num  quiosque perto de si ou por PDF.

 {fcomment}