O segundo dia do Festival Vodafone Paredes de Coura, abriu logo ao início da tarde com a atuação de Vodafone Vozes da Escrita (Samuel Úria e Gisela João), Burner River Sessions, Box 2 Box, terminando com Poesia: Pequeno Louvor ao Público da Poesia no palco Jazz.

A abri o palco principal esteve Riley Walker, guitarrista americano, acompanhado por um baixista e por Gabriel Ferrandini na bateria, para dar a conhecer ao público o seu trabalho Primrose Green.

Seguiu-se ainda com a luz do dia a bater no recinto, a estreia da jovem dupla de indie rock, Whitney, composto por Julien Ehrlich (anteriormente dos Unknown Mortal Orchestra), na voz e bateria e Max KaKacek na guitarra acompanhados de mais quatro amigos nos teclado, trompete, baixo e segunda guitarra. Whitney apresentaram o seu álbum de estreia Light Upon the lake, lançado em janeiro do corrente ano, repleto de composições líricas e imaginativas. Ao longo do seu concerto puderam ouvir-se temas como “No Woman” e “Golden Days”. 

Os terceiros a pisar o palco foram o duo inglês, de Nottingham, Sleafors Mods, constituído por Jason Williamson e Andrew Robert Lindsay Fearn, conhecidos pelo seu estilo minimalista. Foi o seu último álbum, Key Markets, inspirado na desorientação da existência moderna, o ponto de partida do seu concerto no festival Vodafone Paredes de Coura.

Thee Oh Sees, a mais recente encarnação psicadélica da constante evolução pop-folk do cantor e compositor John Dwyer fizeram também as honras à casa. Com a sua energia caraterística, vieram até Paredes de Coura para apresentar aos festivaleiros Multilator Defeated at Last, marcado por ser um projeto mais leve do que o habitual.

A segunda noite desta 24ª edição do Vodafone Paredes de Coura, fechou em pleno com a tão esperada atuação de LCD Soundsystem, banda nova-iorquina de James Murphy, que regressou após cinco de ausência.  LCD Soundsystem, uma das bandas mais marcantes do século XXI presenteou o público com canções conhecidas como “Daft Punk is playing at my house”, “Tribulations”, “New York Love You But You´re Bringing Me Down”e “ All my friends”.

A par dos concertos no palco principal, no palco Vodafone FM  os festivaleiros puderam ouvir Joana Serrat, Bed Legs, Algiers e a fechar britânica Shura, que substituiu Sharon Jones.

Pela noite dentro, no palco After Hours, Suuns e Enchufada que celebram 10 anos, animaram os mais resistentes.