apresentao-festival-multi

Foi apresentado oficialmente, no passado dia 15 de Junho o programa do III Festival Multicultural de Santo Tirso, que vai decorrer no Parque Urbano da Rabada (Burgães) nos dias 7, 8 e 9 de Agosto.

Organizado conjuntamente pelo Grupo ST Culterra (selecção musical e escolha das actividades) e pela Câmara Municipal de Santo Tirso (patrocínio e disponibilização do espaço), o III Festival Multicultural de Santo Tirso apresenta como cabeças de cartaz os “Mão Morta” (25 anos de carreira) e os “Terrakota” (em 2009 este será o único concerto desta banda no norte do país) num programa alargado de bandas (nacionais e locais) e géneros musicais que vão do rock, à música alternativa, passando pelo folclore português (festival de folclore concelhio).

Mas a multiculturalidade do festival – que decorre no Parque da Rabada, um dos mais belos espaços verdes e urbanos do concelho – não reside apenas ao nível da música, já que estão programadas várias actividades cénicas (animação de rua e marionetas), desportivas (aeróbica e yoga) e radicais (torre de saltos, escalada, slide e rapel com a ajuda do Exército português).

Pelo meio haverá um campeonato de pesca (sim, já se pesca e bem no Rio Ave), vários ateliês (pasta de papel e origami) e até a apresentação de um livro do poeta local Pedro Ribeiro. Durante os três dias do festival – com entrada livre – estará patente ao publico uma “feira alternativa”.

Para o presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, Castro Fernandes, este evento “continuará a ser uma festa” de e para os munícipes tirsenses “num local onde, desde logo, está garantida a sua beleza paisagística”. Tal como acontecera nas duas edições anteriores, o presidente da Edilidade Tirsense espera que o evento consiga “a adesão massiva dos munícipes” – tanto mais que a entrada é livre – porque “também é preciso servir as pessoas com cultura e não só com trabalho”.

Para os responsáveis do ST-Culterra – a quem coube a responsabilidade de seleccionar as bandas participantes – o festival vai ser uma festa “não só pelo cartaz que apresenta” como vai permitir, durante três dias, transformar Santo Tirso na capital da música, da literatura, da prática desportiva e do lazer”. E relevaram ainda uma outra componente do festival: “a promoção de bandas locais emergentes”.