“Vila do Coronado, um povo trabalhador, pobre, honesto e humilde!” foi o lema atribuído ao ll Festival de Folclore organizado pelo Grupo de Danças e Cantares Vale Coronado, que decorreu no recinto da igreja matriz de S. Romão do Coronado, no dia 30 de agosto.

“O objetivo principal foi demonstrar às pessoas o que fazemos no “back office”. Nos bastidores temos um trabalho elaborado de pesquisa e entendemos que isso não deve ficar guardado na gaveta. Muito para além de nos apresentarmos em cima de um palco a dançar e a cantar é preciso que as pessoas saibam e compreendam o porquê de nos vestirmos daquela maneira, o porquê de nós dançarmos e cantarmos determinadas músicas e o porquê daqueles instrumentos e não outros”, contou Ricardo Oliveira, presidente da direção.

A receção de boas-vindas aos grupos convidados foi dada na igreja matriz de S. Mamede do Coronado onde decorreu uma visita guiada ao seu interior, seguida de uma cerimónia de entrega de lembranças na antiga Pesafil e um jantar convívio.

Os participantes do evento desfilaram com os trajes populares portugueses das diversas regiões do país desde a igreja matriz de S. Mamede, descendo pela reta das Arcas, até ao recinto principal, já em S. Romão do Coronado.

A “Gala do Folclore” teve início às 21 horas e “foi um festival muito preenchido” e com “muita gente”.

Ricardo Oliveira explicou que o nome remete-nos para “as raízes de um povo”. “Nós quisemos fazer uma demonstração diferente de um festival de folclore e quisemos prestar um tributo às gerações antigas que andavam descalças no campo, que andavam descalças na rua, e que fizeram bastantes sacrifícios para que hoje possamos ter o lugar que ocupamos”, concluiu.

Organizado, este ano, com o apoio do comércio local, da Junta de Freguesia do Coronado e do Município da Trofa, esta é uma iniciativa a continuar nos próximos anos.

O Grupo de Danças e Cantares Vale do Coronado nasceu em 2012 com apenas 7 membros, fazem neste momento parte cerca de 50 pessoas.

foto: arquivo