Uma festa para os murenses feita pelas forças vivas da freguesia. É assim caracterizada a Festa de Rua, que já vai na sua 3.ª edição. No fim de semana, a Praceta S. Cristóvão do Muro acolheu as pessoas que quiseram associar-se a esta iniciativa promovida pela Junta de Freguesia do Muro, em que os principais ingredientes foram o artesanato, velharias, gastronomia e música.
A animação contou com o espetáculo do Alvadance, da associação Muro de Abrigo, das crianças da Escola Básica e Jardim de Infância da Estação e das Danças Pra’pular do Muro. Houve ainda concertos da Banda Lucem e do grupo Cão Voador.
Para Conceição Campos, tesoureira da Junta de Freguesia do Muro, “não podia deixar de existir mais uma Festa de Rua”, uma vez que as edições dos anos anteriores foram “um sucesso” e também a freguesia “já está habituada a colaborar”. “Passa-se o ano inteiro a pensar na Festa de Rua, com as pessoas a fazer os seus trabalhinhos em casa, como os licores, o artesanato e bijuteria, e a prepararem-se para se apresentarem no certame e angariar algum dinheiro”, declarou.
Foi o caso da alvarelhense Maria do Carmo Pereira, que se inscreveu no certame com o intuito de “vender muito” os trabalhos feitos em EVA.
Já a murense Conceição Martins foi “desafiada” a participar, pela “primeira vez”, com “uma receita caseira de família” de licores. A murense “acha bem” que se façam estas feiras para “divulgar os produtos da freguesia e da zona”, considerando ter sido uma “iniciativa muito boa do senhor presidente”.
A tesoureira da Junta referiu que a Festa de Rua é “muito singular” por ser “feita pelas pessoas da freguesia e pelas associações”, sendo “alargado a todas as pessoas do concelho”, que têm a “oportunidade de promoverem os seus artigos de forma gratuita”. Apesar de este ano “muitas mais pessoas” se terem inscrito, “infelizmente o tempo não ajudou” e “algumas tiveram receio” de aparecer na tarde de sábado.