Vinte e duas empresas da Trofa participaram na Feira de Stocks, que a Associação Empresarial do Baixo Ave (AEBA) promoveu com o apoio da Câmara Municipal da Trofa, num armazém junto ao Intermarché. O frio que se fez sentir no fim de semana não demoveu os milhares de pessoas que, durante três dias, acorreram a este local para fazer a compra de presentes de Natal, aproveitando os vários produtos expostos a preços acessíveis e atrativos.

A Noivíssima foi uma das marcas que esteve representada, que aproveitou a “oportunidade” dada pela AEBA para “divulgar o produto e tentar escoar o stock”. Para a gerente Laura Ferreira, a realização da feira nesta época do ano “não é a melhor altura”, visto que os artigos de festa que disponibiliza são mais vendidos na “época quente”. Mesmo assim, marcou presença com a esperança que “na primavera” seja dinamizada outra edição.

Opinião partilhada por Alice Borges, gerente da sapataria Estilo Descontraído, que também esteve neste certame com a meta de “divulgar” os produtos da loja e de “vender tudo”.

Para Cristina Cruz, da Leiloeira do Ave, a presença da empresa foi uma forma de fazer “publicidade” e “escoar alguns artigos”. Na sua opinião, a AEBA podia organizar mais edições por ano, visto que apenas “uma não é suficiente”.

Também Cristina Maia, gerente da Vitral, tem a mesma opinião, sugerindo que a Feira de Stocks fosse promovida “no fim de cada coleção, antes de iniciar os saldos na loja”. A principal razão pela participação na Feira foi “escoar os stocks de coleções anteriores” e também dar a conhecer a loja.

Segundo Daniel Figueiredo, vice-presidente da AEBA, a associação está “muito atenta às dificuldades do comércio” e, por essa razão, está já pensado a realização deste tipo de atividades com “alguma regularidade nos momentos mais apropriados”. O vice-presidente explicou que a realização da Feira de Stocks foi uma forma de os comerciantes colocarem “bons produtos” a “preços vantajosos”, dinamizando o comércio local.

A AEBA contou, uma vez mais, com o apoio da autarquia trofense, que, como explicou Magalhães Moreira, vice-presidente da Câmara Municipal, ajudou na parte logística, como “o transporte dos diferentes artigos”, publicidade e materiais.

Para o autarca, a continuidade da realização da Feira de Stocks é “importante”, pois traz “outra dinâmica ao concelho”. “Quanto melhor estiver o comércio, também o concelho está melhor. Por outro lado, isto traz gente de fora do concelho, que o ajuda a dinamizar”, concluiu.