Mais cavalos, mais criadores e mais Coudelarias. Este é o balanço “positivo” da vertente equestre da Feira Anual da Trofa que, de acordo com os participantes, tem vindo a melhorar.

A trote, a passo, a trote, a passo…lá seguiam os cavalos Puro Sangue Lusitano que marcaram presença, com grande esplendor, na 65ª edição da Feira Anual da Trofa. Pelo picadeiro, nos espectáculos equestres como o Concurso de Modelo e Andamentos, a atrelagem ou o Horse paper, passaram cerca de 84 cavalos, mas “entre 250 a 300 cavalos foram à inspecção veterinária”.

“Quer dizer que estamos a evoluir”, confirmou Joana Matos, Chanceler da Confraria do Cavalo e médica veterinária responsável pela parte equina. “No que diz respeito aos cavalos, a feira tem crescido cada vez mais e já tem um nome tanto no Norte como no Sul”, acrescentou, lembrando as reclamações dos criadores de que “o espaço já é pequeno para tantos cavalos”.

À semelhança de outros anos, o Concurso de Modelo e Andamentos destacou-se como a prova rainha do certame. O cavalo Ali d’Álem, da Coudelaria Luís Almeida, arrecadou o prémio de campeão dos campeões da Feira, ultrapassando a poldra Freyah de Real da Coudelaria Pedro Silva, um jovem criador trofense.

Luís Almeida arrecadou ainda o prémio de melhor criador 2011, e ficou satisfeito pelo “reconhecimento do trabalho feito ao longo destes anos com a criação, o ensino e o adestramento de animais”. “Este ano decidimos mostrar cavalos já montados para demonstrar as aptidões finais dos animais, apresentámos uma égua que ficou em 2º lugar, o cavalo que ficou em 1º e depois com medalha de prata disputou os campeões machos e a seguir o campeão dos campeões, o somatório desses pontos deu-nos o melhor criador”.

Manuel Maia Correia, filho, foi ainda surpreendido com a distinção de Melhor Apresentador 2011. A prova em que apresentou os machos montados “correu bem”, mas o carácter perfeccionista obrigou-o a considerar “algumas falhas” nas apresentações das poldras. “Mas fui obtendo alguns lugares significativos”, frisou, mostrando-se satisfeito com a atribuição do prémio.

Confraria entroniza novos embaixadores do cavalo

O terceiro dia do certame ficou marcado pela entronização de novos embaixadores da raça Puro Sangue Lusitano na Confraria do Cavalo, que conta agora com 31 membros.

Dominique Lotte, agora confrade honorário, foi um dos protagonistas da cerimónia. O presidente do município de Gueugnon, França, veio à Trofa a convite de Joana Lima, edil trofense, não só para visitar a Feira Anual, mas também para conhecer as potencialidades do concelho com quem futuramente estabelecerá uma geminação. “A cidade de Gueugnon tem cerca de 10 mil habitantes e, desses, mil são de origem portuguesa, pelo que, como presidente da Câmara de Gueugnon, desejo verdadeiramente que haja esta geminação, porque significa abrir-se aos outros, aproximar os continentes e os povos”, garantiu.

Nataniel Silva, do Porto, está ligado aos cavalos há 25 anos, e há cinco que é criador. Na noite de sábado também foi entronizado na Confraria, considerando importante “poder colaborar na divulgação de um projecto e de uma feira que tem anos e que cada vez está melhor”. Começou a participar na Feira Anual da Trofa há dois anos e neste momento faz “um balanço positivo”, pois a cada edição que passa nota que “há mais cavalos, com maior nível”.

A Confraria do Cavalo que nasceu na Trofa está agora a internacionalizar-se e esse é mesmo o objectivo desta organização. Hélder Santos, grão-mestre da Confraria, garantiu que são necessários “embaixadores fora das fronteiras portuguesas”. “Pretendemos todos os anos trazer gente de fora, ou alguém que tenha uma projecção internacional capaz de nos ajudar a divulgar a cultura equestre portuguesa e a Feira Anual da Trofa”, acrescentou.

Depois da entronização, seguiram-se o Desfile e a Gala Equestre da Confraria do Cavalo que convenceu miúdos e graúdos, num espectáculo onde o fado se juntou ao rancho e as tradições ligadas ao Puro Sangue Lusitano estiveram em destaque.