A Urbanização das Bétulas, onde serão realojadas 30 famílias de etnia cigana, junto à estação ferroviária da cidade de Vila Nova de Famalicão, está em fase de acabamentos e deverá ficar pronta a ser habitada a partir do próximo mês de Junho. A estimativa foi apontada pelo presidente da Câmara Municipal de Famalicão, Armindo Costa, durante uma visita de trabalho às obras de construção da urbanização, realizada nesta segunda-feira.
“Fico contente com o que vejo. Estamos perante uma obra social de qualidade, construída em diálogo com as famílias ciganas que aqui terão condições para viver em dignidade”, afirmou Armindo Costa, referindo-se ao bom andamento das obras e ao significado da sua conclusão em meados deste ano: “A cidade de Famalicão deixará de ter pessoas a viver em barracas”, frisou, demonstrando, assim, as preocupações sociais da gestão municipal.
No próximo Junho, as cerca de 135 pessoas de etnia cigana, que integram 30 famílias a realojar, já terão terminado o período de formação ministrado pelos serviços sociais do município, em áreas como a gestão doméstica. O acompanhamento dos técnicos sociais, preparando as famílias para uma vida nova, justifica-se, tanto mais que estamos a falar de pessoas que sempre viveram em barracas e que agora vão ocupar os apartamentos de várias tipologias distribuídos em oito blocos com quatro pisos cada.
A Urbanização das Bétulas representa um investimento municipal de 2,8 milhões de euros, somando a compra do terreno (onde o Município investiu um milhão de euros). A empreitada está a cargo do consórcio constituído pelas empresas Inmetro Construções e Alexandre Barbosa Borges.
Para a concretização desta obra, a Câmara Municipal de Famalicão regista um apoio a fundo perdido do Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana no montante de cerca de 30 por cento do valor da empreitada.
A Urbanização das Bétulas – assim designada pelo facto de o plano de arborização do conjunto habitacional contemplar a plantação de várias espécies de bétulas – está situada a sul da estação ferroviária de Famalicão, a pouca distância do local onde se encontram as actuais barracas a demolir, estando, deste modo, garantida a integração social das famílias a realojar.
A urbanização conta com a construção de 30 habitações (três T1, oito T2, treze T3 e seis T4), distribuídas por oito blocos de quatro pisos. Dois dos primeiros pisos de um dos blocos destinam-se à instalação de uma unidade municipal de acção social. No logradouro da urbanização está a ser estudada a criação de um pequeno espaço multifunções, vocacionado para actividades desportivas e recreativas.

Para além da resolução de um problema humano e social, que se arrastava desde 1974, a construção da Urbanização das Bétulas é o ponto de partida para a requalificação urbanística da zona poente da cidade. “O fim das barracas na cidade será um passo histórico ao nível da reabilitação urbana em Famalicão”, considera Armindo Costa.