quant
Fique ligado

jonati

Edição 554

Famalicão já pensa no Carnaval

Publicado

em

Em criança, como não tinha muitos brinquedos, Susana Joana criava-os. As cascas vermelhas do queijo flamengo, em vez de irem para o lixo, transformavam-se em jogos de chá e pratos em miniatura para completar o “enxoval” das bonecas. Com o tempo, as habilidades foram sendo aprimoradas. Começou a usar plasticina e o verniz das unhas para finalizar as peças. Depois, Susana Joana aventurou-se no desenho e outras técnicas. “Quando eu olhava para uma pedra diferente ou um simples pau, já imaginava o que poderia inventar com eles”, recordou a artesã, em entrevista ao NT.
É nos trabalhos manuais que Susana Joana encontra a satisfação pessoal. Por isso, decidiu arriscar e, em 2012, abriu a Artesã, uma loja/atelier, situada atualmente no Centro Comercial da Vinha, onde mostra e comercializa as peças que concebe. Cerâmica, madeira, vidro, porcelana, estanho, tecido, goma EVA, cartonagem, seda, biscuit são alguns dos materiais que utiliza para dar largas à imaginação. Polivalência parece ser característica vincada da artista. “Quanto maior o desafio, melhor”, contou. O projeto é “feito na cabeça” e só depois executado e pode demorar horas ou meses a ser concluído. Depende da inspiração, das técnicas a utilizar e da complexidade da peça. Quando acaba, a felicidade é certa. “Sinto-me realizada independentemente de tudo aquilo que me possa rodear”, admite.
Um dos trabalhos que mais a orgulha é a Mulher do Norte. Uma peça com 1,50 metros, em homenagem à avó que, apesar de pequena, “tinha uma personalidade bem vincada”. O mesmo se pode dizer da Mulher do Norte, uma peça concebida através da conjugação de várias técnicas (cerâmica, porcelana fria, pintura e outros materiais) e que reflete a indumentária dos antepassados do Minho e Douro. “Como não tenho forno, procurei uma fábrica que aceitasse o meu desafio e, juntamente com um amigo rodista, a Mulher do Norte tomou forma. Como não existiam papéis, ao trabalharmos em conjunto, e quando eu lhe explicava o que pretendia, muitas vezes ele olhava para mim como se eu estivesse maluca. O resultado foi apresentado na ExpoTrofa, em 2012”, contou.
Mais recentemente, Susana Joana começou a criar a peça em 50 centímetros, para que “possa estar ao alcance de todos levarem uma para casa”. Existem em quatro tons diferentes e um dos pormenores mais vistosos, além da saia, é o lenço dos Namorados, típico do Minho (Braga).
Também a Lolita é uma criação de Susana Joana. Esta peça, também foi concebida da conjugação de várias técnicas. A ideia partiu de uma jarra à qual a artesã juntou uma esfera para criar uma boneca, cujos “glúteos” são elemento em destaque.
A inspiração para criar vem “nos momentos mais difíceis” da vida, como nas “noites mal dormidas”, e acaba por ser “uma terapia”. “Encontro motivação nas lutas diárias que me fazem ser a mulher que sou hoje. Não desisto de nada e por mais que as circunstâncias sejam contrárias, antes de alguém acreditar no meu trabalho eu tenho que acreditar, acima de tudo, que vai dar certo. Há projetos sobe os quais eu sei que não vou ver resultados a curto prazo, mas, assim como uma semente depois de lançada na terra precisa ser regada para crescer e dar fruto no tempo certo, também creio que o resultado de muito esforço e dedicação na hora certa dará o seu devido fruto”, asseverou.
Susana Joana reconhece que “ser artesão não é fácil”, porque “apesar de as pessoas gostarem dos trabalhos, estes não são um bem essencial”. No entanto, os momentos difíceis só reforçam a esperança num futuro risonho. “Todos os dias me levanto com a disposição que tudo vai mudar e um dia vou ver todo o meu trabalho reconhecido. Creio que o ano 2016 será um ano de bons resultados”, vaticinou.

Cria peças por encomenda e dá nova vida ao que é velho
A modelagem, seja em pasta de cerâmica, em porcelana fria ou até mesmo em pasta de açúcar, é um dos trabalhos preferidos da artesã. No entanto, é na cerâmica que tem “mais saída” nas vendas, assim como “nas peças personalizadas em porcelana fria para maquetes de bolos para eventos ou ofertas especiais”. As peças em goma EVA, celebrizada por bonecos que podem representar profissões, e as lembranças para festas também continuam a ter “muita procura”.
A artista aceita encomendas e as peças podem ser concebidas de acordo com o gosto do cliente. “Já me aconteceu várias vezes, o cliente trazer um pedido e, em conjunto, idealizarmos um trabalho totalmente surpreendente. Esse é o meu maior ganho, através do trabalho das minhas mãos proporcionar momentos de alegria a alguém”, sublinhou.
Susana Joana também dá nova vida às peças antigas e danificadas pois podem ganhar uma nova vida e comercializa materiais para quem também gosta de trabalhar com artes.

 

Continuar a ler...
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 554

Duas ou três notas sobre 2016

Publicado

em

Ricardo Garcia

Depois do habitual e saudável estado de embriaguez típica do Natal e do ano novo, o ano de 2016 aí está e a reactivação de todos os nossos sentidos e faculdades, juntamente com a ressaca inevitável, leva-nos a ter logo nos primeiros dias do ano de construirmos mentalmente os nossos desejos e projectos e a escrevê-los mentalmente (se forem como eu, o melhor mesmo é escreverem numa agenda daquelas que se vendem em livrarias).
Depois das uvas passas e de todos gritarmos que vamos tentar ser melhores pessoas (eu por mim peço sempre para não piorar) ou dizer que nos vamos inscrever no ginásio (desejo que dura até Fevereiro), a chapada do mundo, acompanhada no nosso caso de chuva e frio, é uma inevitabilidade como as reportagens da neve a cair na Serra da Estrela (tenho para mim que é sempre a mesma reportagem todos os anos). As primeiras semanas de Janeiro serão marcadas com a campanha presidencial e a saída do fatigante Cavaco Silva, sendo eu adepto de uma acção de crowdfunding para ajudar o casal Cavaco e Maria a comprar uma pequena pirâmide no Egipto decorada pela Joana Vasconcelos, pois a reforma de dez mil euros não dá para a renda. Saído este, temos em curso a beatificação de Marcelo, de forma a ser levado em andor para a cadeira de presidente. Depois de vários anos de evangelização dominical, o homem que agora parece um acérrimo defensor do Serviço Nacional de Saúde, da Educação Pública e da Segurança Social, mas que nunca deixou de apoiar as matrizes da sua área política que levaram à degradação destes mesmos pilares da sociedade portuguesa, quer transmitir um (falso) distanciamento da sua matriz ideológica. Por falar em televangelismo, não podemos esquecer as sempre muito esperadas entrevistas (?) a José Sócrates.
Depois do quadro parlamentar saído das últimas eleições legislativas, o parlamento teve um novo fôlego. Se para muitos é uma geringonça, para mim chama-se discussão, avanços, cedências, acordos. Chama-se democracia.
O plano internacional será marcado por dois acontecimentos que marcarão a política internacional dos próximos anos: as eleições nos EUA e a contínua baixa do crude. Para os europeus, as primárias do Partido Republicano parecem uma stand-up comedy de Donald Trump. O problema é que muitos americanos, como se pode ver pelas sondagens, parecem levar a sério esta personagem que inalou laca em excesso.
A baixa do petróleo terá como consequência problemas políticos, sociais e económicos  nos países que têm como principal fonte de receita a exportação desta matéria-prima, com destaque para o Médio Oriente, Brasil e Angola, estes dois com laços fortes com Portugal.
E agora para algo completamente diferente, aconselho os que estão a ler estes caracteres a comprar mais jornais, ir ao cinema, comprar música em formato físico e redescobrir o que é um álbum ou tirar cinco minutos diários para ler um bom livro. Sei que é difícil conciliar tempo e disponibilidade financeira, mas experimentem entrar num alfarrabista ou numa loja de música em 2ª mão. Sem querer entrar na porta da nostalgia, vão ver que alguns hábitos antigos ainda fazem sentido.

Continuar a ler...

Edição 554

Invertem-se os papéis políticos e os trofenses estão na mesma…

Publicado

em

João Pedro Costa

Incontornáveis os problemas das inundações que, ano após ano, transformam a Trofa na “Veneza do norte”, mas sem os proveitos turísticos que goza a conhecida cidade italiana. O problema diz-se, e foi repetido por todos os autarcas com funções executivas desde 1998, Bernardino Vasconcelos, Joana Lima e Sérgio Humberto, que o sucedido tem a ver com umas tais construções que foram feitas sobre o leito de um rio, nas décadas de 80 e 90, do século passado! Sacode-se assim, de forma literal, a água do capote…
Quanto ao discurso político estamos falados e, certamente, o leitor recordou um dos momentos, pelo menos duas cheias por ano nos últimos 17 anos (onde não nos podemos queixar de autonomia administrativa para delinear soluções para os nossos próprios problemas), que perfazem pelo menos 34 ocasiões em que aos decisores políticos atrás citados foram sendo convidados pelos órgãos de comunicação social, locais e nacionais, para se justificarem relativamente a cada uma das catástrofes. Catástrofes, sim! É disso que falamos, os prejuízos materiais ascendem a milhões de euros, por cada um dos episódios, não sendo muitos deles seguráveis, pois as zonas são consideradas de elevado risco, a que acresce a desvalorização de terrenos que alagam e ficam impróprios para cultivo e as construções efetuadas tornam-se pouco atrativas, quer para as empresas, quer para particulares – é a Trofa moderna que temos, onde se diz o futuro passa por aqui!
Quem chega promete soluções e é destas que me interessa falar, pois não posso esquecer setembro de 2013, véspera do ato legislativo que viria a ditar a vitória de Sérgio Humberto, data em que o Parque das Azenhas sofreu uma tremenda inundação (similar à desta semana) e com ela Joana Lima perdeu as eleições. Passou de um estado de graça na festa da apressada inauguração de um projeto inacabado, para alvo de chacota e ridicularização nas redes sociais, jornais e conversas de café. Normal (ou talvez não), o importante era ganhar eleições e tudo servia de pretexto. Com o novo candidato tudo seria diferente, aclamava-se! Passaram mais de 2 anos desde essa data, em dias passam mais de 800 e o que se conhece de demarches para resolver o problema, nada! O discurso, esse, continua igual. Foi feito algum estudo para resolver este impedimento que faz a Trofa dar 2 passos à frente e 1 atrás, marcando passo no progresso que almejamos e vemos acontecer nos concelhos vizinhos? Alguém conhece um projeto, um único que seja, para resolver (ou pelo menos atenuar) este cancro que a Trofa padece em dois eixos de grande relevância face a duas Estradas Nacionais (Nº14 e Nº104)? Ainda dentro das preocupações do executivo deveria estar a destruição dos seus próprios pertences, já que o edifício da Câmara Municipal fica em pleno coração da cidade submersa, obrigando inclusive a constantes paragens de produtividade dos seus funcionários a que acrescem depois trabalhos extras em claro prejuízo do erário público. O que está pensado para alterar a localização da Câmara? Não perca tempo a pensar, caro leitor, nada!

De regresso a um dos ex-libris da Trofa, o Parque das Azenhas, projeto lançada por Bernardino Vasconcelos, e obra aprovada por Joana Lima, teve sempre acompanhamento do arquiteto António Charro na qualidade de “Chefe de Divisão Planeamento e Urbanismo da Câmara Municipal da Trofa” que até mereceu um voto de confiança do executivo liderado por Sérgio Humberto promovendo-o a “Diretor de Departamento de Administração do Território do Município da Trofa”! Em conjunto, estes responsáveis, respondem pelo investimento de dois milhões e setecentos mil euros de fundos comunitários de uma obra que já deveria estar encerrada de modo a evitar a perda de mais fundos comunitários, como já aconteceu no recém-inaugurado Parque Dr. Lima Carneiro, com a inacabada Concha Acústica (Palco), onde foram subtraídos aos trofenses 200 mil euros e sem culpados, técnicos ou políticos!
Numa obra que ficou em fase de remate, desde 2013, com trabalhos extra de cerca de mais 500 mil euros aprovados em Assembleia Municipal, de 2014, para fazerem face à destruição que penalizou Joana Lima, de que se queixa o atual executivo para terminar a obra? O mais difícil, que para muitos era mesmo impossível foi feito por Joana Lima, o processo de negociação para expropriação de terrenos, será que Sérgio Humberto ainda se vai encorajar e atribuir novamente culpas à ex-autarca, esquecendo os mais de 800 dias de inércia para concluir os trabalhos e oferecer uma obra lindíssima para usufruto dos trofenses?! Ou, ao invés, irá assumir as suas responsabilidades políticas e iniciar o apuramento de responsabilidades técnicas, se elas existirem? Estamos atentos.

Continuar a ler...

Edição Papel

Edição de 09 de fevereiro de 2023

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Pode ler também...

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);