O Município de Vila Nova de Famalicão aderiu hoje formalmente ao Eixo Atlântico do Noroeste Peninsular, uma associação transfronteiriça que agora integra 28 cidades da Galiza e do Norte de Portugal. A decisão que tinha sido tomada pelo Comissão Executiva do Eixo Atlântico, foi hoje ratificada numa Assembleia Geral Extraordinária do Eixo Atlântico, realizada em Vila Nova de Gaia, que confirmou também a adesão dos municípios portugueses de Barcelos, Matosinhos, Mirandela e Vila do Conde.

"É um momento histórico para a afirmação de Vila Nova de Famalicão entre as cidades que integram o Noroeste Peninsular", afirmou, a propósito, o presidente da Câmara de Vila Nova de Famalicão, Armindo Costa, adiantando que o município "irá aproveitar ao máximo as potencialidades proporcionadas pela presença no Eixo Atlântico", associação de grande importância, enquanto espaço de lóbi político em favor de uma região europeia periférica como é o caso do Noroeste da Península Ibérica.

O presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, Luís Filipe Menezes, foi, entretanto, eleito presidente do  Eixo Atlântico do Noroeste Peninsular, sucedendo ao alcaide de Vigo, Xosé Sánchez Bugallo. O Eixo Atlântico tem como objectivo fundamental o desenvolvimento económico, social, cultural, científico e tecnológico das cidades e regiões que lhe pertencem. Dado que tem de existir uma paridade entre o número de cidades dos dois países, aderiram também ao Eixo Atlântico os municípios galegos de Carballo, Vivieiro, Lalín, Verín e Barco de Valdeorras.

Armindo Costa congratulou-se com a eleição de Luís Filipe Menezes como presidente do Eixo Atlântico. "Como autarca e como político de grande dimensão, o dr. Luís Filipe Menezes é uma referência para todos nós, que tem a vantagem de conhecer profundamente os problemas e as soluções das cidades do Norte de Portugal", declarou Armindo Costa.

As cidades que já integravam o Eixo Atlântico eram nove do Norte de Portugal (Braga, Bragança, Chaves, Guimarães, Peso da Régua, Porto, Vila Real, Viana do Castelo e Vila Nova de Gaia) e outras tantas da Galiza (Corunha, Ferrol, Lugo, Monforte de Lemos, Ourense, Pontevedra, Santiago de Compostela, Villagarcia de Arousa e Vigo).  

Luís Filipe Menezes anunciou que uma das suas prioridades como presidente do Eixo Atlântico será reforçar o papel da associação como interlocutor da Euro-região Norte Portugal-Galiza, ante os governos de Madrid e Lisboa, assim como das instituições da União Europeia. Nesse sentido, Menezes anunciou já a intenção de pedir, na sua qualidade de presidente do Eixo Atlântico, uma audiência a Durão Barroso, para apresentar à Comissão Europeia a realidade da euro-região do Noroeste Peninsular. O autarca antecipou ainda a sua ideia de criar um fórum de discussão temático sobre o Eixo Atlântico, um outro das universidades da euro-região, de instituir a capital cultural do Eixo Atlântico e de estudar a criação de projectos comuns de promoção turística.

A ligação ferroviária entre o Porto e as cidades de Vigo, Santiago de Compostela e Corunha é outra questão que será debatida durante o mandato de Menezes, de dois anos. Luís Filipe Menezes defende que a ligação deverá ser efectuada em velocidade elevada (até 220 quilómetros/hora) e não em alta velocidade (300 a 320 quilómetros/hora), dadas as curtas distâncias entre estas cidades.

A criação do Eixo Atlântico nasceu da necessidade de uma cooperação aprofundada entre as cidades do Porto e de Vigo de forma a "chegar mais perto" da União Europeia para obter mais apoios para projectos de desenvolvimento das suas cidades e regiões. Em 1992 foi constituído oficialmente o Eixo Atlântico do Noroeste Peninsular, que rapidamente se estendeu a mais 16 cidades do Norte de Portugal e Galiza, núcleo agora alargado com mais dez cidades membros.