José da Costa Pereira Serra, conhecido como comendador J. Serra, e uma das personalidades ligadas ao desenvolvido da cidade e, posteriormente, concelho da Trofa, faleceu esta manhã, aos 91 anos.

As cerimónias fúnebres realizam-se amanhã, na Igreja Nova da Trofa. Não há velório e a missa de corpo presente será celebrada pelas 11h00,  indo a sepultar em jazigo de família no cemitério de S. Martinho de Bougado

Devido à pandemia de Covid-19, as cerimónias fúnebres destinam-se apenas a familiares.

O comendador J. Serra nasceu em Mosteirô, S. Martinho de Bougado, onde sempre viveu. São-lhe reconhecidas centenas, senão mesmo milhares de obras: ruas que construiu, casas de habitação (Cidade Nova, Mosteirô, Nova Trofa, Nova Abelheira) e muitos outros polos habitacionais que mandou erigir para possibilitar que todos pudessem ter um teto para viver, os empregos que criou e o Colégio Nossa Senhora das Dores do qual foi fundador. Foi presidente de Junta e Regedor e sempre foi conhecida a sua postura “intervencionista”.

Foi sócio fundador do Hospital da Trofa, da Santa Casa da Misericórdia da Trofa, apoiou o Hospital de Santo Tirso, a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Trofa e a “menina dos seus olhos” – a Banda de Música da Trofa.

Criou, em 1975, o “Jornal Voz da Trofa” para que “este órgão de comunicação social espalhasse por toda a parte a defesa dos anseios da Trofa e suas gentes”.

Foi a 9 de maio de 1997 que o então Presidente da República, Jorge Sampaio, atribuiu a Comenda de Ordem de Mérito a J. Serra.