Cerca de 70 ex-combatentes marcaram presença num convívio que começou na Capela Nossa Senhora das Dores e prosseguiu na Quinta Zé Emílio.

O jipe de 1968 foi excecionalmente colocado em frente à Capela Nossa Senhora das Dores para marcar um momento simbólico: o encontro de 70 ex-combatentes.

A festa realizou-se no sábado e teve como ponto de encontro a capela, no centro da cidade da Trofa, estendendeu-se à Quinta Zé Emílio, em Santiago de Bougado.

António Santos Pereira, mais conhecido como “cabo Lírio”, por ter ingressado na Companhia dois meses mais tarde, levou o jipe para avivar as memórias daqueles que, longe da família, fortaleceram laços em tempos de muitas restrições e dificuldades vividas na cidade de Baucau, em Timor-Leste.

“Este é um convívio de amigos que passaram dois anos no Ultramar. Nestes encontros fala-se do passado e das dificuldades que passamos num mundo pouco desenvolvido em que nem pontes havia e tínhamos que atravessar ribeiras”, contou.

António Pereira, natural de Santiago de Bougado, mas emigrante na Alemanha há mais de 30 anos, não quis deixar de agradecer à Câmara Municipal, que “foi muito amável ao oferecer à Companhia um CD de música e um barrete”. “Agradeço também ao senhor presidente da Junta de S. Martinho de Bougado, que nos facilitou a entrada do jipe no recinto em frente à capela”, acrescentou.

No encontro estiveram presentes ex-combatentes de todo o país, como Alentejo, Torres Novas e de vários pontos do Norte.

{fcomment}