Soutrofense 

No domingo recebemos o Fátima e sabíamos que só a vitória interessava, ganhámos o jogo e os três pontos, mas não ganhámos para o susto, aqueles miúdos metem cá um medo.

Nos primeiros 20/30 minutos ainda se jogou à bola, depois parecia um filme de adormecer, parecia que estávamos a fazer publicidade aos “Colchões Bruxomor, dão um dormir do melhor” e ainda se admiram do árbitro, funcionar a grito, o jogador gritava ele marcava falta, pena que o nosso mister não tenha dado indicações ao Romeu para gritar mais, assim, só marcava as faltas a favor do Fátima, está mal…Assim como nunca tinha visto um colega de equipa estorvar o Redes e o árbitro marcar falta contra o adversário, deve ser das novas tecnologias, (tecnologia tira-os daqui que ainda marcam golo), mas confesso que comecei a ficar desconfiado, assim como desconfio que quase a terminar a partida, já o árbitro sonhava.

Então não é que marcou um livre a jeito (para o Fátima) de uma falta que viu em sonhos. Malandro…Felizmente que os jogadores do Trofense não deixaram a jogada entrar na grande área, senão tinha sido um pesadelo para nós, porque ali não havia mão de pastorinho, havia “Espírito Santo de orelha”, diz a minha intuição de Bruxo, assim só apanhámos um “cagaço” com o livre, que parecia ir direitinho à baliza.

O Igor fez-me viajar à infância, lembrei-me de um vizinho que tinha, toda a bola que lhe caísse no quintal, morria. O nosso defesa, matava-a, mas felizmente não a esquartejava, o que já não é mau.
Passando ao Moustapha quero dar-lhe um conselho, para a próxima que te derem uma pancada e o árbitro fizer de conta que não vê, espera uns cinco minutos antes de lhe dares o troco, (aprende com o Tiago), se pagas na hora o árbitro mostra-te o amarelo e não há necessidade, porque tu com mais uns jogos, com mais ritmo de jogo, vais dar cabo do adversário e sem falta, eles é que vão ter falta de pernas para te acompanhar.

Quanto ao Hélder Sousa, fui espreitar os jogos que foi titular e ganhámos quase sempre com ele em campo, espero que isso seja suficiente para o mister o colocar mais vezes, qual talismã, qual quê, com “Hélder a titular, o Trofense a somar”, assim como o Chad, não acerta com a baliza, é certo, mas que destabiliza a defesa adversária, isso ninguém pode negar, será que temos que fazer uma petição para o colocarem mais vezes?

O Reguila tem que fazer jus ao nome quando cai, assim dá muito nas vistas, tem que ser mais disfarçado, alguém o ensine, mais uma vez o Tiago seria um bom professor, porque sabe “sacar” as faltas como ninguém e continua igual a si próprio, ou seja bem, assim como o Filipe Gonçalves, que também esteve em evidência.

Mas o mais “inoxidável”, que em linguagem de Bruxo quer dizer o mais brilhante, foi sem dúvida, o novo central Cláudio, não há bola que lhe escape, nem pelo chão, nem de cabeça, comete uma infantilidade, mas consegue corrigi-la, é caso para perguntar, onde andava este diamante escondido? Pena que não seja mais novo, porque dá gosto vê-lo jogar e deu-me uma ideia, se a passagem do 4, para o 44 foi o que se viu, não se arranjará um 1111, que em Março já éramos campeões?
Domingo conseguiu-se o mais importante, ganhámos e festejámos a derrota de alguns dos nossos mais directos adversários, foi só somar e a subida está a quatro pontos, para a semana vamos depenar as “aves”, que se um raio não cai duas vezes num mesmo lugar, também (se Deus e o Vítor Pereira quiserem) não vão ter o Esteves para os safar outra vez.

Por hoje termino, dizendo que ser “popular” tem as suas contrariedades. Não é que na semana, que se soube da parceria do Blog com “O Notícias da Trofa”, me apareceu concorrência? E da forte!
Havia quem adivinhasse, de véspera, as notícias que seriam publicadas nos jornais desportivos e isso nem eu que sou Bruxo consigo fazer.

Uma apelidada de “bomba”, era sobre três atletas lesionados, operados no Hospital da Trofa.
Está tudo maluco, ou quê? Qual é o espanto? Então não queriam que o Trofense fizesse uso do patrocinador? Queriam que fossem operados no Carmo ou na Trindade? Só essa faltava!
Cliente que se preze, usa, abusa e divulga amplamente o produto que publicita. Se os “colchões Bruxomor” fossem parceiros, isso sim seria um problema, mas chamar a isso bomba?
Bomba, era se a publicidade fosse ao feijão enlatado!