Foi com sala cheia que Miguel 7 Estacas se apresentou em palco, no Centro Cultural Municipal de Vila das Aves, com o espetáculo da tournée “7estacas.zip”, que marca os 30 anos de carreira como comediante.

Tal como um ficheiro informático zip, este espetáculo compacta alguns dos momentos e personagens que celebrizaram Miguel 7 Estacas no humor. O Senhor Limpinho, o Mágico Urini e o trolha Fredo arrancaram gargalhadas a um público que não arredou pé durante as duas horas e meia de apresentação.

“Esta tournée começou em Guimarães e esta é a sétima data que cumprimos. O problema é que nos entusiasmamos e o espetáculo estica e estica. Daqui a pouco, terei de marcar sessão para dois dias, para começar no sábado e acabar na segunda-feira”, disse o comediante ao NT.

Acompanhado por outros dois artistas, uma delas Olga Sousa, atriz no grupo de teatro Aviscena, de Santo Tirso, Miguel 7 Estacas conseguiu, por exemplo, inovar ao apresentar ao público a “esposa” do Senhor Limpinho.

O sketch destas personagens é a chave de ouro que encerra o espetáculo e um válido argumento para – utilizando linguagem futebolística – atestar o excelente momento de forma do comediante.

A tournée vai continuar e tem como ponto alto a sessão no Teatro Sá da Bandeira, no Porto, a 21 de março. Os bilhetes já estão à venda. Seguem-se espetáculos na Póvoa de Lanhoso e Póvoa de Varzim, em maio, e Felgueiras, em junho.

Miguel 7 Estacas subiu pela primeira vez a palco para fazer rir em 1989. “Ainda bem que eu nasci para a comédia. É tão bom fazer rir, é quase uma terapia. É tão delicioso sabermos que estamos a fazer as outras pessoas felizes nem que seja por um momento. Esta foi a melhor profissão que me podia ter aparecido”, sublinhou.

Apesar do grave acidente que sofreu numa corrida de carrinhos de rolamentos, em Laúndos, Póvoa de Varzim, em 2015, o humorista está numa fase ascendente da carreira, com salas cheias e vários projetos em mãos, mantendo-se no leque de mais requisitados do país. “A fasquia está muito elevada”, reconhece, mas sabe que o segredo para se manter no auge entre humoristas jovens com “muito talento” passa por “trabalhar constantemente para não ficar para trás no tempo”.

“O registo de humor que se usava vai ficando fora de moda e temos de nos atualizar. Às vezes, é difícil porque nem sempre nos identificamos com o novo registo, mas depois temos de analisar o público e perceber que é aquilo que ele quer”, postulou.

Depois de alguns anos a animar vários públicos em diversas salas de Portugal, Miguel 7 Estacas teve um dos momentos mais relevantes da carreira, em 2002, quando integrou o grupo de comediantes do programa da SIC “Levanta-te e Ri”, no qual teve a oportunidade de regressar recentemente, no relançamento feito pelo canal de televisão.