Escola de Música e Artes da Trofa promoveu uma formação sobre danças e canções da Europa.

As danças e canções euro-peias deram o mote para mais uma ação de formação da Escola de Música e Artes da Trofa, que se realizou no sábado, na sede da Banda de Música da Trofa. Dirigida a “professores de educação musical, do 1.º Ciclo e de jardim de infância”, a formação foi ministrada por Graça Boal-Palheiros – numa parceria com a Associação Wuytack de Pedagogia Musical – e deu aos docentes bases para diversificar os métodos de ensino. “Há muitos materiais que podem usar nas aulas. Fazer músicas de muitas partes do mundo abre os nossos horizontes”, afirmou a formadora e membro do Centro de Investigação em Psicologia da Música e Educação Musical do Instituto Politécnico do Porto.
Graça Boal-Palheiros evidenciou a “importância” da formação “em qualquer profissão”, da “vontade” dos professores de “melhorar a sua prática” e da necessidade de “também receber, para poder continuar a dar”.
Cândida Oliveira, diretora da Escola de Música e Artes da Trofa, explicou que a formação, baseada no livro “Carmina Europea” – que aborda músicas de 25 países do Velho Continente – “é uma mais-valia para professores e alunos” e o tema será um contributo para o ensino de um dos módulos no 3.º Ciclo do ensino regular, que é “Músicas do Mundo”. “Aqui, percebe-se que se pode trabalhar só com danças e que não é preciso ser só instrumental ou só cantado ou só tocado”, concluiu.