Com a abertura da nova sala de leitura, os alunos da EB 1 Giesta 1, em Alvarelhos, ganham um espaço para expandirem o conhecimento.

“A sala de leitura, para mim, é expressar os sentimentos em palavras. Ler um livro é como se me sentisse livre a expressar tudo o que sinto”. O pensamento de Tatiana Pires, aluna na Escola Básica de Giesta 1, sai quase de forma literária, a combinar com a ocasião. Igualmente inspirada pela abertura do novo espaço, a amiga Diana Machado também fala como gente grande. “Eu acho que esta sala de leitura foi uma coisa que já devia ter acontecido há muito tempo, porque ela ajuda-nos a expressar o que nós sentimos. Vamos gostar mais de ler e deixar os videojogos as PSP (Playstation portáteis) e as Wii”, afirmou.

Apesar de ser mais nova, Carolina Vieira, admiradora confessa de “poesia”, não ficou atrás nos comentários à nova sala de leitura da escola, aberta na tarde de segunda-feira. “Foi uma boa ideia, porque podemos passar aqui a maior parte dos dias e ler muitos livros”.
Ainda a cheirar a tinta fresca, o novo espaço foi decorado com o contributo dos alunos, mas sempre dentro de algum secretismo “para os surpreender”, como confidenciou Luísa Marques, coordenadora da Escola.

A Associação de Pais (AP) teve um contributo importante para a concretização desta valência. Susana Rodrigues, da AP, afirmou que esta é “uma pequena grande obra”, considerando que “numa escola com mais de 30 anos, não haver uma biblioteca parecia absurdo”. “Este já foi um projeto da associação anterior e o nosso empenho foi conseguir terminá-lo. Com a ajuda de todos, conseguimos um espaço que as crianças não estavam habituadas a ter aqui”, sublinhou.

E tal como diz o provérbio que “quem não tem cão, caça com gato”, enquanto não havia sala da leitura, os meninos abordavam a leitura com outra estratégia. “Começamos com uns baús com livros, que fomos buscar ao Agrupamento. Os alunos levavam um cartãozinho para casa e durante uma semana liam e faziam um trabalho sobre a história que leram. Isto permitiu que entrassem na dinâmica e agora, com o nosso cantinho de leitura, faremos a mesma coisa. Teremos a nossa meia hora para irmos ler um bocadinho”, explicou Luísa Marques.