Nasceu em Alvarelhos há pouco mais de um ano, mas os candeeiros, as letras luminosas e os porta velas e porta-retratos com fotografias a 3D, que corporizam o core business desta empresa, passaram para segundo plano, assim que o surto de Covid-19 entrou no país e obrigou a esforço suplementar para equipar os profissionais de saúde.

A Impressiona 3D, projeto criado por Aires Vilas Boas e Patrícia Ribeiro para ser um “extra” ao trabalho que já têm por conta de outrem, redirecionou a sua produção para criar suportes para viseiras, equipamento que tem sido essencial para os profissionais de saúde tratarem dos doentes infetados com mais segurança.

“Trata-se de um esforço conjunto, dinamizado por uma empresa de Moreira de Cónegos, a Devise Solutions, que está a recolher os suportes impressos em 3D, não só nossos, mas, até à data, de mais de uma centena de pessoas/entidades da zona Norte. A montagem de viseiras e distribuição pelos hospitais é também feita por ela”, contou ao NT, Aires Vilas Boas, que explicou que decidiu avançar com esta produção, “tendo em conta a complicada situação que se previa acontecer, com a falta de equipamentos de proteção individual”.

Depois de ter iniciado os testes, no sábado, ontem a empresa já entregou a Devise Solutions “mais de 30 unidades” de suportes.

“Decidimos usar todos os nossos recursos para ajudar a causa. Temos neste momento capacidade de fabricar cerca de cem unidades por semana e vamos fabricar enquanto nos for possível adquirir matéria-prima ou receber doações da mesma”, explicou.

Aires Vilas Boas apelou a “quem trabalha com impressão 3D e possa contribuir, para contactar o email euajudo@devise.pt”.