camarafamalicao8noite

Um emigrante português na Suécia enviou para Famalicão centenas de equipamentos ortopédicos e fisiátricos disse  fonte da autarquia.

“É o quatro camião que vai da Suécia para Portugal cheio de produtos destinados a pessoas com diversos tipos de deficiência”, disse Carlos Quaresma, o português, funcionário do governo sueco.

Quaresma recolhe equipamento de fisioterapia, de apoio a acamados e a deficientes motores e envia-o para Portugal.

Esta semana, chegou a Vila Nova de Famalicão um camião com duzentos andarilhos com rodado e travões, três camas articuladas e elevatórias, várias camas e bicicletas de fisioterapia, bem como sessenta e cinco cadeiras de rodas.

“A Suécia é um país muito evoluído e há equipamentos que para os suecos já não são úteis e tornam-se numa grande ajuda para os portugueses”, referiu ainda Carlos Quaresma.

Em Famalicão, técnicos da autarquia, já elaboraram a relação do equipamento recebido.

O material será agora entregue pela Câmara à rede social do município e, posteriormente, às comissões inter-freguesias.

Na próxima semana, a autarquia irá fazer a apresentação do equipamento recebido e entrega-lo aos beneficiários.

“As autarquias ou instituições que aceitam receber o equipamento só têm que pagar o aluguer de um camião que faça o transporte da Suécia para Portugal”, explicou Quaresma.

Cadeiras de transporte especial, cadeiras de banho e higiene pessoal, dez elevadores de banho e cama, almofadas anti-chagas, fraldas, canadianas e diversos aparelhos de recuperação física vão ser entregues a instituições e a particulares residentes no concelho de Famalicão.

A Santa Casa de Misericórdia de Lisboa, o Centro João Paulo II, em Fátima, a câmara do Barreiro e, agora, a de Famalicão, foram as entidades que já receberam ‘encomendas’ da Suécia.

“Sou natural de Lisboa e gostava que a câmara de Lisboa também aceitasse esta oferta mas ninguém responde às minhas cartas”, referiu o funcionário do Estado sueco.

O envio de material ortopédico e fisiátrico está ganhar ‘fama’.

“Fui contactado por dezanove autarquias para que lhes envie camiões com equipamento. Estão em lista de espera”, finalizou Carlos Quaresma.