Em abril de 2011, o Dj trofense Pedro Freitas, editou o seu primeiro tema e apenas sete meses depois, recebeu um convite para o incluir numa compilação de música house e latina, de uma editora alemã. O NT foi saber mais sobre o passado, presente e futuro deste jovem artista. Pedro Freitas, natural da Trofa, não conteve a emoção quando a editora alemã Club Star Records o contactou para incluir o seu primeiro tema numa compilação de música house e latina.

“Foi um dia muito feliz, estamos a falar de uma compilação à venda em todo mundo e com bastante impacto. É um orgulho representar a Trofa e Portugal”, contou o Dj trofense ao NT.

 

“Ya…não te quero mais” é o nome da música que editou em parceria com a cantora Sina Key em abril do ano passado, pela portuguesa Goldbrain Records e que acabou no disco “The Bossa Club Night”.

A viver e estudar em Bragança há quatro anos, o jovem de 22 anos, aproveita os fins de semana para passar na Trofa, onde, desde cedo, mostrou em várias festas de liceu os seus dotes de mistura de músicas. “A primeira oportunidade séria surgiu no BA-BU Caffe, seguindose o trabalho como Dj residente do bar Uniko, depois no bar Ad- Versus e por fim uma ligação de mais de três anos no ETC lounge bar, casa a quem devo o que sou hoje como Dj”, confidenciou Pedro. Durante os seis anos em que atua, o Dj já passou pelos espaços da Pedra do Couto em Santo Tirso, Elitis em Paços de Ferreira, Look Club em Viana de Castelo, Set Lounge na Azurara e muitos outros. 

Num meio incerto que é o mundo da música e do entretenimento, Pedro Freitas tem “como prioridade” o curso de Engenharia Eletrónica que frequenta em Bragança. “Como todos sabemos a música não é garantia de futuro”, afirmou o trofense. Contudo, está “neste momento a trabalhar num re-edit” do single já lançado e num outro tema que guarda “para quando tiver a qualidade que pretende”. “Após editar o primeiro as portas começam a abrir-se e tudo se torna mais fácil”, facto que pode contribuir para concretizar o seu sonho de levar a carreira “além fronteiras”.

Atualmente sem agente, o músico, avalia o estado da música em Portugal “como de mal a pior” e aponta a falta de valorização do trabalho musical em Portugal como sendo culpa do “público português”. “Qualquer figura pública ou modelo é Dj, e as casas apostam nisso porque é maneira mais fácil de encher. É triste darem mais valor a alguém que está no meio só porque aparece na TV do que a quem trabalha a sério para melhorar a música na noite do país.”, desabafou. Ao contrário do que diz acontecer na vida noturna do país, Pedro Freitas exemplifica que na Trofa “os responsáveis, antes de convidarem pessoas de fora, olham para o valor que há no concelho, tanto a nível de Dj’s como de bandas”, referindo-se à organização da semana de juventude.

Em breve Pedro Freitas actua no ETC Club, no espaço Massaquil, na Trofa, para o qual deixa o convite a todos os trofenses.

Stefanie Correia

{fcomment}