Pela primeira vez escrevemos no Noticias da Trofa. Com prazer. De muitos, o periódico respeita as diferenças e mantém uma filosofia pluralista já rara e muitas vezes escassa em outros meios de comunicação social. Por isso, nesta sua decisão de passar a semanário desejámos-lhe sorte e sucesso.

  Resolvemos chamar à nossa opinião de " divagações ", pois reflectirá diversas impressões breves sobre distintos assuntos. Não sendo " bairristas ", porque não somos, a primeira divagação é fruto do chamado resultado de proximidade. A CDU em Guidões distribuiu durante toda a semana que passou um comunicado, porta à porta. É a segunda vez que o faz este ano. Prestando contas aos cidadãos de Guidões sobre a actividade desenvolvida, nomeadamente relatando o resultado da ultima assembleia de freguesia em que o Presidente da Junta, em consequência das lutas e denuncias da CDU, assegurou ter a Metalogalva se comprometido a arborizar e ajardinar a área envolvente à construção e deposição de terras que desenvolve na margem direita do Ribeiro da Aldeia, área que integra a REN ( Reserva Ecológica Nacional ) e a RAN ( Reserva Agrícola Nacional ).

A CDU termina o comunicado com uma série de interrogações que, sem serem novas ou originais, continuam a mostrar-se pertinentes e actuais. Diz a CDU : « …as obras de saneamento básico e distribuição de água ao domicílio continuam. São úteis. Necessárias. Mas há coisas que continuam incompreensíveis. Porque é que quando se abre a estrada, não se coloca logo tudo? Porque é necessário abrir e fechar tantas vezes ? Não será tudo falta de planeamento eficaz? Porque não se vê fiscalização nestas obras ? Não é necessária ? Não existem fiscais em número suficiente? As obras têm garantia para muitos anos ? São tudo questões que já tentamos colocá-las em outros locais, mas para as quais as respostas são sempre evasivas…e fica-se sempre com a ideia de que não há respostas, ou, pelo menos, respostas convincentes.». Um amigo disse-nos: « provavelmente tem de ser assim porque não pode ser de outra maneira.» Mas custa-nos a engolir. É indigesto. Tanto se fala de produtividade. De aproveitamento de recursos. De poupança. E, no fundo, a execução destas obras são o claro exemplo do contrário. Por aqui também se demonstra que a falta de produtividade não é culpa dos trabalhadores. Os trabalhadores obedecem. Recebem ordens. Por isso quem manda, quem orienta, quem fiscaliza é que será responsável pela falta de produtividade. Mas, mais do que isso. Denota a falta de preocupação com o bem-estar dos cidadãos.

Vai daqui para a penúltima e ultima assembleias municipais em que um deputado representante do CDS-PP afirmou, em discurso algo confuso para nós ( com certeza por deficiência nossa ), que a «…greve geral apenas se viu lá para Lisboa por influência dos comunistas…» e que «…eram os empresários que produziam riqueza…». Tendo-se reclamado de empresário, esqueceu – se de mencionar se a riqueza que produziu foi sozinho, ou se ela resultou sobretudo do trabalho efectuado pelos seus trabalhadores. Aliás esqueceu-se de que também são as PMEs ( pequenas e médias empresas ) grandes vítimas da actual política e de que o PCP tem no seu programa e nos seus princípios a promoção e o desenvolvimento das pequenas e médias empresas como condição essencial para o crescimento económico e para mais justiça social. Na altura corria a discussão sobre a localização do novo aeroporto e o ministro Lino havia pronunciado a célebre frase «… a margem sul é um deserto…». Então pensamos que o CDS-PP pelo caminho que ia com aquele discurso seria um deserto de ideias. De ideias políticas, claro está. Os Lisboetas, ao que parece, concordaram, pois no último acto eleitoral, reduziram o CDS-PP e PP ( Paulo Portas ) à mínima expressão, retirando-lhe mesmo o vereador. Costuma dizer-se : O peixe morre pela boca…Em Lisboa, além da derrota enorme do PSD, o PS também não pode embandeirar em arco. O sorriso é amarelo. Ficou muito longe do seu objectivo de maioria absoluta e António Costa é o presidente da Câmara eleito com menor percentagem e menor números de votos de sempre. E se comparássemos este resultado do PS de 57 907 votos e 29,54% com os 149 498 votos e 42,48% das legislativas de 2005, o resultado seria desastroso.

Por fim uma ultima divagação. Morreu recentemente o actor Henrique Viana. Sobejamente conhecido do público, pelas suas participações no cinema, teatro, novelas e televisão, resta informar a sua qualidade de militante do PCP, opção política que sempre afirmou abertamente. Também a sua urna foi coberta pela bandeira vermelha. Jerónimo de Sousa, na altura, sublinhou a perda de um grande amigo, de um camarada e companheiro de jornada, mas também de « um artista, um humanista desde sempre identificado com o 25 de Abril e a democracia». Até Amanhã, camarada.

Atanagildo Lobo