A Dicas de Festa promoveu, na tarde de sábado, dia 19 de janeiro, um workshop de cakedesign. Participantes aprenderam técnicas para trabalhar com a pasta de açúcar.

 “Gosto muito de fazer doces e a toda a hora faço questão de fazer coisas diferentes. Foi uma oportunidade boa, que acho que dá jeito para qualquer mulher e dona de casa”. Foi desta forma que Ivone Carneiro explicou ao NT o motivo que a fez participar no workshop de cake design, promovido pela Dicas de Festa, situada na loja 14, do Centro Comercial da Vinha.

Apesar de não pertencer à “indústria de bolos”, Ivone Carneiro decidiu participar, não estando arrependida pela decisão. “Estou a gostar muito. Não contava que fosse assim, sinceramente já aprendi uma série de coisas. Acho que é um workshop que realmente vale a pena”, afirmou.

Ao longo da formação, que durou a tarde de sábado, os participantes aprenderam a trabalhar com a pasta de açúcar, desde a cobertura de bolos à utilização de várias peças, como cortantes e moldes, para a decoração dos mesmos. Além disso, aprenderam como misturar as cores, fazendo o efeito marmoreado, o que dá “um efeito giríssimo” na decoração dos bolos. Outra das coisas que aprenderam foi a trabalhar com o material existente na loja, que muitas vezes viam, mas “não se apercebiam para que efeito era”.

O formador Paulo Alves explicou que este era “um workshop inicial” para utilização da “pasta de açúcar”, onde as pessoas aprendiam a fazer a “decoração inicial de nível um”, como “uns laços” e “técnicas de como a devem utilizar, endurecer um pouco, se houver necessidade, e formas de colar a massa”. Como estamos perto da data dos Dia dos Namorados (14 de fevereiro), o formador decidiu ensinar “umas pequenas decorações” ligadas a esta temática, para “as pessoas porem em prática para os namorados e maridos”.

“O interesse que os clientes mostravam em aprender” a trabalhar com a pasta de açúcar, foi o que motivou Manuela Machado, gerente da Dicas de Festa, a organizar esta atividade. “É uma forma de aprenderem e de ficarem a saber tudo, todas as dicas e segredos”, denotou.

Quando teve conhecimento do trabalho do formador e este da existência da loja, surgiu logo a ideia de dinamizar esta formação. Para assistirem à formação, as pessoas tinham que fazer “uma compra mínima, no valor de 25 euros”, de materiais necessários para “trabalhar na pasta de açúcar”, como a própria pasta, cortantes, moldes ou até os rolos da massa.

Para Manuela Machado, o balanço da atividade só podia ser “muito positivo”, contando com a participação de “muita gente”. “Futuramente”, a gerente da loja vai apresentar aos clientes uma “formação de bombons e de outros bolos com pasta”, para ver se a recetividade corresponde às mesmas expectativas.