Quem ouve o Primeiro-Ministro, José Sócrates, falar do desemprego pode ficar convencido, através do seu discurso cor-de-rosa, que a sua política de combate ao desemprego tem sido uma vitória socialista, mas a haver política, ela tem sido de aumento do desemprego e como de costume, muito blá-blá-bla, porque a realidade é bem dura e crua e os socialistas não podem contrariar os números da própria União Europeia, que vêm provar o fracasso da governação socialista.

 

     Este "êxito" que o Governo socialista apregoa, reflecte-se no aumento, em Agosto, da taxa de desemprego e Portugal, é um dos três países da União Europeia em que o desemprego aumentou em Agosto face a igual mês de 2006, contrariando a tendência verificada no conjunto da União Europeia. Portugal, com uma taxa de desemprego de 8,3% em Agosto deste ano, contra os 7,5% em igual mês do ano passado, apresenta o aumento mais acentuado  dos países que fazem parte da União Europeia, logo seguido, mas mesmo assim com números bem inferiores, pela Irlanda e Luxemburgo, que são países com uma "retaguarda" social bem mais forte e estável que Portugal, onde a taxa subiu três decimas, passando para 4,7 e 5%, respectivamente.

     Em todos os restantes vinte e quatro países da União Europeia, o desemprego baixou em igual período, com a descida mais acentuada a verificar-se na Polónia, que desceu de 13,3% para 9,1% e a Lituânia com uma descida de 5,8% para 4,1%. Estes países são estados membros da EU, bem mais recentes que Portugal e já apresentam rácios bem mais interessantes que nós.

     Comparativamente ao mês de Julho, a taxa de desemprego manteve-se estável na Zona Euro, em 6,9% e baixou nos 27 países da União Europeia para 6,7%. Um ano antes era de 7,8% em ambas as zonas, enquanto que Portugal regista mais um agravamento da taxa de desemprego que passou para 8,3% contra os 7,5% do mesmo mês, mas do ano passado.

     Nestes números, agora divulgados pelo Eurostat, ainda não estão os inúmeros trabalhadores que depois das férias não encontraram o seu posto de trabalho, por encerramento, e que, só em Setembro se inscreveram no Desemprego, engrossando o número já elevado de desempregados no nosso país que vai a passos largos para perto de meio milhão de pessoas que não têm trabalho.

     A subida da taxa de desemprego é explicada, para além da má governação socialista, também pelo facto de que existe uma perca real de postos de trabalho e que cerca das 165 mil pessoas que entraram na vida activa, apenas 65 mil conseguiram emprego. As outras cerca de 100 mil engrossaram o lote de desempregados. José Sócrates, e o seu Governo, não têm tido uma política de investimentos para criarem condições para inverter esta já muito grave situação.

     Poderão os socialistas não gostar que estes números venham para a praça pública, e a virem que sejam pouco divulgados e não comentados mas, a realidade, é que já no final do primeiro trimestre deste ano, Portugal tinha 469.900 desempregados. Na faixa etária dos 15 aos 24 anos, verifica-se uma situação bem mais grave, pois a taxa de desemprego é de 18,1%. Até o desemprego não afecta todos por igual.

     É esta a governação socialista que prometeu os tais 150 mil postos de trabalho! Foi com este tipo de promessas que ganhou as eleições !!

  •  
    •  
      •  
        •  

                   José Maria Moreira da Silva

      moreira.da.silva@sapo.pt