A direção aproveitou o momento de festa e fez um balanço destes 26 anos, considerando ter mais aspetos positivos do que negativos.

Foi na presença de componentes, sócios e familiares, que o Grupo Danças e Cantares de Santiago de Bougado, comemorou o seu 26º aniversário. Manuela Moreira, presidente do Danças e Cantares, considerou que a época anterior correu bem, com “algumas deslocações bastante interessantes”, salientando o quadro de etnografia realizado esta época. O trabalho do vinho foi o tema escolhido para este quadro, que decorreu num campo em Cedões, propriedade de duas diretoras do grupo, que lhes ofereceram o vinho. “Começamos no campo, desde a poda, o sulfatar e o vindimar. Falta-nos agora completar em termos de adega, porque não conseguimos uma à altura, com todas as características necessárias. Não tivemos tempo para procurar porque o vinho também amadureceu muito rápido”, afirmou Manuela Moreira, salientando que esta será uma tarefa para terminar na próxima época.

A presidente desta associação fez ainda um balanço bastante positivo destes 26 anos, frisando como um momento marcante a comemoração dos 25 anos. A par desta data tão importante, estão também as saídas ao  estrangeiro, “o que não quer dizer que as saídas cá em Portugal não sejam interessantes, porque são muito, mas acho que todas as saídas que temos feito ao estrangeiro, são um êxito e muito gratificantes. Os próprios componentes, o facto de irem fora, torna-os mais solidários, unem-se mais” disse Manuela Moreira.

Questionada sobre a representação de Santiago de Bougado, a presidente afirma que os dois grupos da terra de Bougado, Etnográfico e Danças e Cantares, “levam longe e com muita seriedade a cultura e a etnografia de  Santiago de Bougado”, sublinhando que o que precisam neste momento é de “ajudas, que infelizmente não há muitas em termos de subsídios”.

Para a próxima época têm três convites para ir ao estrangeiro, mas por questões financeiras, não sabem se poderão aceitar. “E é com muita pena nossa que não vai ser viável. Se nós tivéssemos ajudas, quer fosse da câmara, da junta ou de particulares da freguesia seria bom. Claro que as três estão fora de questão, mas pelo menos uma” gostavam de ir. “E uma saída ao estrangeiro não fica propriamente económica em termos de deslocação. Já não falo em alojamento, porque normalmente eles é que nos dão, mas a própria viagem em si é muito dispendiosa”, concluiu Manuela Moreira.

Aproveitou ainda o momento para agradecer ao NT “todo o apoio” que lhes tem sido dado. Estas comemorações começaram com uma missa ao meio dia, na Igreja Matriz de Santiago de Bougado. De seguida, foram cantar as Boas Festas ao Pároco Armindo Gomes, terminando com um almoço convívio na sede.

{fcomment}