Em 2020, a delegação da Trofa da Cruz Vermelha Portuguesa doou quase 260 mil bens alimentares à população mais vulnerável do concelho. Os números, divulgados pela instituição, refletem o aumento dos pedidos de ajuda num período, especialmente, difícil devido à pandemia de Covid-19. Nos excedentes alimentares, por exemplo, em 2019, foram doados 1276, enquanto no ano passado foram doados 61.200, num aumento de quase 4700 por cento. Esta resposta social chegou a “6800 pessoas”, refere a delegação.

Aumentaram também os apoios de emergência alimentar: 18.241 bens doados, que chegaram a 798 pessoas, bem mais do que os 11.451 alimentos entregues, em 2019, a 453 pessoas. O frigorífico solidário, existente no Muro e no Coronado, também contou com mais 50% dos alimentos durante o ano 2020, com a colocação de 21.138 bens.

O que também subiu muito foi o apoio ao nível dos medicamentos: enquanto, em 2019, a Cruz Vermelha, concretizou 200 apoios nesta área, em 2020, o número de doações foi de 410.

Por outro lado, verificou-se uma redução do número de refeições oferecidas através da cantina social, devido ao período de confinamento: confecionaram-se 4597 refeições em 2020, menos 1299 que no ano anterior.

Já no que respeita ao Programa Operacional de Apoio às Pessoas Mais Carenciadas, também se verificou uma diminuição de bens alimentares doados: 157.780 em 2020, menos sete por cento que em 2019.

No total de apoios alimentares, a Cruz Vermelha refere ter chegado a 8048 pessoas.