Durante uma semana, a Exposição Educação+ Financeira, esteve patente no concelho da Trofa, para ensinar à população, em geral, a ser mais responsável com as suas finanças.

Chama-se Exposição Educação+ Financeira e “visita”, todas as semanas, uma cidade de um distrito diferente do país. No distrito do Porto, foi a Trofa que a recebeu. O convite, que surgiu há já alguns meses pela Universidade de Aveiro e pela Caixa Geral de Depósitos, foi bem recebida pela Câmara Municipal da Trofa.

Com o intuito de sensibilizar e mobilizar as pessoas, quanto à literacia financeira, para que tenham mais consciência quanto às suas finanças pessoais, os monitores percorrem os 18 distritos do país. Diogo Conceição, um dos monitores, garante que quando abordam as pessoas, relativamente a esta temática, “muitas delas ficam de pé atrás”. E que a intenção desta atividade é fazer com que entendam “o valor do dinheiro e como o devem gerir”.

Esta exposição, que é composta por três módulos, é destinada a crianças dos sete aos 17 anos. O primeiro módulo tem jogos dedicados às crianças do primeiro e segundo ciclo. “Recorremos ao tempo em que não havia dinheiro. Eles jogam às cartas, em que o objetivo é conseguirem juntar os alimentos pedidos, sem terem dinheiro para o comprar. Ou seja, trocando alimentos entre si”, afirmou. Já no segundo módulo, destinado ao terceiro ciclo, as crianças recebem um cartão com objetivos, onde têm que escolher um produto, ao melhor preço, e que corresponda às suas necessidades.

Para que depois o possam comprar, terão que trabalhar, respondendo a várias questões, seja biologia, matemática, português e literacia financeira. Quanto mais dinheiro conseguirem “amealhar”, melhor. “Porque vão comprar o produto, que escolheram no início, e ainda fazer uma poupança”, depositando, no final do jogo, “o dinheiro no banco”. Quanto ao terceiro, e último módulo, é um jogo de computador, destinado aos alunos do secundário e ao público em geral. Trata-se de uma simulação da vida real, onde a pessoa tem que “escolher um avatar (uma personagem) e a partir daí terá que a gerir, como se estivesse na vida real, tendo em conta os contratempos, que vão aparecendo”. “Serve para sensibilizá-los como devem de gerir o seu dinheiro, as suas finanças pessoais”, acrescentou.

Esta atividade tem tido uma recetividade “bastante boa”, pois com o desenvolvimento dos jogos, os participantes ficam “bastante motivados”. Além disso, são entregues uns kits com flyers, para que as crianças continuem a falar desta temática, que é a literacia financeira. Desta forma, há a sensibilização por parte dos monitores, e o tema é “cada vez mais desenvolvido”.

Ana Marques, aluna da EB 2/ 3 Napoleão Sousa Marques, considerou esta iniciativa bastante interessante, em que a palavra de ordem era “poupar, poupar”. “Aquele dinheiro que os nossos pais nos dão, não precisamos de gastar sempre, guardamos e trazemos lanche de casa, como estivemos a ver no filme”, frisou.

A autarquia trofense ficou bastante agradada com o convite feito, há já alguns meses, pela Universidade de Aveiro, pois “vai de encontro ao Orçamento Participativo Jovem (OPJ)”.

Na quarta-feira, dia 18, pelas 21.15 horas, houve uma sessão extraordinária, no novo auditório da Escola Secundária da Trofa, dedicada à comunidade trofense, onde Sérgio Cruz, professor da Universidade de Aveiro, deu uma “explicação sobre o que é a educação financeira e abordou vários conceitos relacionados com o mesmo tema”. “O orador partilhou connosco que, ao longo deste ano e meio que têm percorrido o país com esta exposição, esta foi uma das sessões mais participativas de todo o país, portanto foi com uma enorme satisfação que vimos, ao abrir à comunidade civil, que também está interessada em aprofundar este tema da educação financeira”, confidenciou Teresa Fernandes, vereadora da Educação.

No final, Teresa Fernandes fez um balanço “bastante positivo” desta atividade, pois foi “uma exposição muito interessante, que tenta incutir nos jovens das escolas, o conhecimento pelas questões financeiras: como saber gerir o dinheiro e portanto tomar as decisões certas mediante o dinheiro que têm disponível”.

Esta exposição, que estará na próxima semana na cidade de Coimbra, no ano letivo passado teve cerca de 17 mil participantes. Este ano já conta com cinco mil participações.

{fcomment}