Trajados a rigor, relembrando os tempos antigos, pessoas de todas idades davam corpo à recriação histórica daquilo que eram os usos e os costumes dos Bougados de outrora. Ao som dos tambores, violas, bombos, ferrinhos e acordeões, crianças, mulheres e homens cantaram e dançaram durante todo o percurso, entre o Estádio do Clube Desportivo Trofense e a Capela Nossa Senhora das Dores.

Enquanto um cavalo puxava a charrete, as donzelas exibiam as suas sombrinhas, as mulheres seguiam com as bacias à cabeça transportando a roupa que haveriam de lavar nas águas do Rio Ave e nos lavadouros públicos. Já as crianças entretinham-se com os brinquedos de outrora, feitos de madeira. Os garrafões de vinho, os cabos de alho e de cebolas ao pescoço acompanhavam os agricultores, enquanto as mulheres com os merendeiros iam ao encontro dos trabalhadores que se encontravam no campo a ceifar e a sachar o milho…Já os carros de bois eram puxados por animais das raças autóctones e as maquinas, tractores agrícolas eram quase inexistentes.

A Estrada Nacional 14 estava ladeada por milhares de pessoas que ansiavam pelo inicio do cortejo organizado, pela primeira vez, pela Comissão de Festas em Honra de Nossa Senhora das Dores, este ano da responsabilidade da aldeia da Esprela.

cortejo-etnogrfico-1

O Cortejo Etnográfico, que invadiu o centro da cidade para relembrar os usos e costumes da terra, surgiu da vontade de “fazer algo diferente”, como explicou ao NT/TrofaTv Paulo Sousa, presidente da Comissão de Festas. “Englobado nos cortejos de oferendas que é habitual nesta altura, quisemos complementar, para levar as oferendas das pessoas da Esprela até ao adro de Nossa Senhora das Dores”, afirmou.

Apesar da pouca divulgação que o responsável lamenta não ter sido mais desenvolvida junto das pessoas, o balanço do Cortejo foi muito positivo. “Acho que correu bem, com a ajuda dos ranchos da nossa terra, as pessoas gostaram. Há pontos a melhorar naturalmente, mas acho que o saldo foi muito positivo”, considerou.

Na organização do Cortejo Etnográfico estiveram envolvidos o Grupo Danças e Cantares de Santiago de Bougado, o Rancho das Lavradeiras da Trofa, o Rancho Etnográfico de Santiago de Bougado, o Rancho Folclórico de Alvarelhos e o Rancho Folclórico de S. Romão do Coronado.