Milhares de pessoas assistiram à Corrida de Cavalos, no centro da cidade da Trofa. Pista em linha reta, inédita em Portugal, recebeu inúmeros elogios.

Dois anos depois, a Trofa voltou a receber a Corrida de Cavalos. Desta vez, o evento fez lembrar outros tempos, ao realizar-se no centro da cidade. A antiga linha de comboio transformou-se em pista e, ao longo de 1400 metros, milhares de pessoas vibraram com as provas.

A tarde de calor fez com que o público aliasse o melhor local para assistir ao evento com várias formas de se proteger das temperaturas altas. À sombra ou debaixo de um guarda-sol, tudo servia para fugir ao calor.

Cumprida a primeira corrida, a euforia deu lugar a algum desencanto. José Alves, de Lousado, lamentava o “muito pó” que levantou com a passagem dos primeiros concorrentes e que “prejudica os cavalos que estão atrás da corrida”. Mas o problema existiu por momentos, já que a organização arranjou uma solução através de um trator que percorreu e molhou a pista.

Enquanto se melhoravam as condições, outros torciam pelo clube da terra, que jogava ao mesmo tempo, em Arouca. No meio da multidão, um adepto, facilmente identificado por um boné com o emblema do Trofense, afirmava que gosta “muito de ver corrida de cavalos” e “esperava” pela vitória do clube, “no mínimo por 1-0”. O Trofense lá cumpriu com uma vitória por 3-1.

Engenhosamente equipado com uma cadeira, o trofense Manuel Silva pensava que tinha arranjado o melhor local para assistir à corrida, na zona da antiga estação. O evento fazia-lhe lembrar “quando se ia para Santo Tirso na segunda-feira de Páscoa, em que a estação estava cheia de pessoas”.

Já Conceição Gomes, também trofense, é repetente como espectadora das corridas de cavalos e considerou “boa ideia” a alteração da pista: “Assim está mais fixe”.

Organização quer repetir a prova brevemente

Na pista, a corrida dividiu-se por seis provas a trote ou a galope, com concorrentes portugueses e estrangeiros. A luta foi renhida, mas para os vencedores, o esforço valeu a pena. Os elogios à pista – a linha reta foi uma novidade em provas realizadas em Portugal – foram uma constante, assim como a garantia de sucesso da organização.

Nelson Santos voltou à Trofa para ganhar. Depois de experimentar a nova pista, afirmou que prefere a linha reta, apesar de “ser mais perigosa e de obrigar a uma melhor gestão dos cavalos”.

Gaspar Vaz, outro dos vencedores, estava contente por triunfar na última prova, marcada por uma falsa partida e por reunir concorrentes “compatíveis”. O jóquei considerou “fantástica” a moldura humana, “que há muito não se vê em nenhum lado”.

A organização gostou da primeira experiência de corrida em linha reta e já quer repetir. Manuel Oliveira, diretor da Corrida e vice-presidente da Liga Portuguesa de Criadores e Proprietários de Cavalos de Corrida, apelidou o evento de “espetacular”. “Esta foi uma aposta muito forte da Junta de Freguesia. Há bocadinho sugeri à senhora presidente de Câmara, que estamos dispostos a organizar uma prova inserida nas festas de Nossa Senhora das Dores”, referiu.

A adesão em massa das pessoas já não é novidade para o diretor da corrida: “Na Trofa, normalmente, é sempre assim. Milhares de pessoas a assistirem e foi, realmente, emocionante do princípio ao fim”.

“Espetáculo único e inédito”

José Sá, presidente da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado, que promoveu o evento, estava “satisfeito” com o sucesso alcançado, confirmado pelo feedback deixado pelos jóqueis. “Também a população teve a oportunidade de assistir a um espetáculo único e inédito neste local”, frisou.

O autarca aproveitou ainda para “agradecer a todos os patrocinadores, que facilitaram a realização deste evento e que se tornaram também nos grandes colaboradores”.

Cumprida a corrida, “completa-se” também “o programa da edição de 2011 da Feira Anual da Trofa”, afiançou José Sá.

A Câmara Municipal também colaborou na realização desta corrida. Joana Lima defendeu que “qualquer iniciativa deste género é importante para a Trofa”.

“É imperativo cativar as pessoas a visitarem o nosso concelho, que é aprazível e que lhes dá sempre o melhor que tem e o que pode”.

Apesar do sucesso alcançado na pista, Joana Lima espera que esta seja “a última prova” realizada no local, pois quer ver avançar rapidamente as obras da regeneração urbana. “Penso que foi uma aposta ganha, mas não é uma aposta futura. Espero que para o ano estejamos em obras, porque será sinal de progresso e de desenvolvimento”, concluiu.

Este evento foi organizado pela Liga Portuguesa de Criadores e Proprietários de Cavalos de Corrida e contou para o Campeonato Nacional.

 

Veja mais imagens da corrida na edição papel do jornal O Notícias da Trofa, desta semana.

 

{fcomment}